No Rio, 2 milhões viram queima de fogos ser antecipada em um minuto

Nem a antecipação em quase um minuto do show pirotécnico nem o princípio de incêndio em uma das oito balsas em que estavam os fogos de artifício atrapalharam a festa de réveillon na praia de Copacabana, onde 2 milhões de pessoas comemoraram a chegada de 2008. A esperada contagem regressiva, que seria ouvida em toda a praia, só pôde ser acompanhada no telão do palco. Apesar de terem começado a explodir às 23h59, os fogos duraram bem mais dos que os 16 minutos anunciados. Foram quase 22 minutos de uma explosão de cores e elementos tridimensionais. Quase no fim do show, os detonadores da balsa localizada em frente à Rua Figueiredo Magalhães pegaram fogo. Em menos de cinco minutos uma equipe dos bombeiros apagou as chamas. Ninguém ficou ferido. Outra novidade anunciada pelos organizadores - a de que uma pessoa no palco puxaria um pedido de bis dos fogos - também não funcionou. Ninguém ouviu pedidos. Mesmo assim, na altura do Leme, nova queima de fogos levou a multidão a continuar comemorando a chegada do novo ano. Na água, pelo menos oito transatlânticos traziam quase 30 mil pessoas para ver a festa, que foi embalada por muito funk depois do show pirotécnico. A música que tocou no único palco montado em Copacabana não pôde ser ouvida por quem estava nas extremidades. Mas teve quem achou bom estar longe do palco. "Nossa intenção é ver os fogos", disse a catarinense Cláudia Ballao, de 33 anos, que mora no Rio há quatro meses. "Não queremos ficar perto do tumulto." Em Ipanema, a música eletrônica embalou o réveillon de 40 mil pessoas. Formada principalmente por jovens, a platéia dançou ao som de 20 DJs que se revezaram no palco montado no Posto 9.BRASÍLIA Cerca de 80 mil pessoas estiveram na Esplanada dos Ministérios para assistir aos 21 minutos de show pirotécnico. O réveillon em Brasília começou ao meio-dia de segunda feira, com a apresentação de 20 bandas em quatro palcos.

Talita Figueiredo, RIO, O Estadao de S.Paulo

02 de janeiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.