No Rio, chuvas provocam mais mortes

Três pessoas da mesma família morreram na madrugada deste sábado em Conservatória, distrito de Valença, no interior do Estado do Rio, num deslizamento em conseqüência da chuva. Fabiana Jovenciano da Silva, de 16 anos, e suas filhas Gabriane, de 1 ano, e Gabriele, 2 anos, dormiam quando a casa em que elas moravam desabou sob o peso de um barranco. O marido de Fabiana, Márcio Ambrósio Jovenciano da Silva, também estava em casa, mas salvou-se porque ficou preso sob um armário.Uma casa ao lado também foi atingida, mas a moradora, identificada como Benedita Eugênia, conseguiu fugir a tempo. Os desabrigados foram levados para a Escola Municipal Pedro Carlos. Também devido à chuva, o asfalto da estrada entre Conservatória e o município de Barra do Piraí cedeu e o tráfego foi interrompido. O único acesso possível é a estrada que liga o distrito a Valença. Há risco de inundações em mais dois outros bairros, Vila Almeida e Santa Cruz. Seus moradores foram levados para o salão paroquial da igreja local. No noroeste do Estado, as águas dos rios Muriaé e Itaperuna subiram e deixaram 3 mil desabrigados. No fim da manhã, o nível das águas começou a baixar, mas ainda estava cinco metros acima do normal, segundo informações da Defesa Civil do Estado.Parte dos desabrigados começou a voltar para casa, mas o Instituto Nacional de Meteorologia anunciou no início da tarde que haveria chuva pelo menos até a próxima terça-feira, devido a uma frente fria estacionada entre o norte do Estado do Rio e o sul do Espírito Santo. Os municípios fluminenses de Natividade, Bom Jesus do Itabapoana e Porciúncula são os mais afetados pelas enchentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.