No Rio, estátua sem placa deixa turistas confusos

No Rio, estátua sem placa deixa turistas confusos

Falta de informação sobre monumentos na cidade provoca situações divertidas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2012 | 23h21

RIO - Enquanto admira a imponência do Copacabana Palace, na zona sul do Rio, o comerciante Carlos Almeida, de 39 anos, chama a mulher. "Precisamos tirar foto ao lado dessa estátua. Esse homem devia ser milionário, imagine, para construir um hotel desse", diz, referindo-se ao monumento ao jornalista Ibrahim Sued (1924-1995).

Morador de Curitiba, o casal visita o Rio pela primeira vez e nem imagina que Ibrahim está bem na frente do hotel não por ter sido dono do estabelecimento, mas porque, como colunista social, frequentava o Copa e conseguiu ali boa parte de seus furos jornalísticos. A placa que acompanha a estátua, porém, traz apenas o nome e a profissão do homenageado.

Entre os 641 monumentos espalhados pelo Rio, segundo a Fundação Parques e Jardins, boa parte homenageia personalidades hoje ignoradas pelos turistas - Józef Pilsudski, militar fundador da Polônia, por exemplo, é exaltado com estátua em Ipanema.

Em alguns casos, nem existe placa. Em outros, a placa registra apenas o nome da pessoa, sem mais informações. Não é raro turista tirar foto imaginando se tratar de outra pessoa, como o casal paranaense. Também não é incomum carioca que passa diariamente por uma estátua e ignora quem seja o homenageado.

Pela calçada da Assembleia Legislativa, no centro, passam diariamente milhares de pessoas. Na frente do prédio fica uma estátua de... "sei lá de quem, trabalho aqui, mas nunca parei para ler a placa", admite o garçom Elton Silveira, de 28 anos, diante do inconfidente Tiradentes.

Estátua do cavalo. "Na Praça 15, ao lado da estátua do cavalo", grita ao telefone o físico Thiago Almeida, de 26 anos, avisando ao amigo onde está à espera dele, no centro do Rio. A escultura não homenageia o quadrúpede, mas o homem... Thiago olha para cima e dá o veredicto: "Não faço ideia de quem seja."

As placas também não ajudam muito. Só a explicação do repórter permite ao estudante descobrir que se trata do patrono da Cavalaria do Exército. "Ah, é o da praça em Ipanema, né?", conclui, referindo a outra homenagem ao personagem, a Praça General Osório.

Mais conteúdo sobre:
monumentosbustosestátuas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.