No RS, Yeda e Tarso são provocados por rivais

PORTO ALEGRE

Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 00h00

A tucana Yeda Crusius, que busca a reeleição, e o petista Tarso Genro, líder das pesquisas, foram os principais alvos dos demais concorrentes no debate de ontem da RBS TV, o último do primeiro turno da campanha eleitoral para o governo do Rio Grande do Sul.

Provocado por José Fogaça (PMDB), segundo colocado nas pesquisas e interessado em levar a eleição para o segundo turno, Tarso disse que seu eventual governo vai incentivar a base produtiva legal e submeter demais projetos à análise técnica.

Yeda foi provocada pelo candidato do PSOL, Pedro Ruas, que a citou como um dos réus de uma ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal no ano passado contra supostos participantes e beneficiários de desvios no Detran. A tucana sustentou que o réu é Ruas, que responde a processo movido por seu ex-marido, Carlos Crusius, por calúnias.

Carlos Schneider (PMN) - menos de 1% nas pesquisas - criticou o ajuste fiscal feito pela governadora por não conseguir zerar o estoque de precatórios do Estado. A tucana garantiu já ter conseguido quitar R$ 1 bilhão de precatórios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.