Marcos Correa/Presidência da República
Marcos Correa/Presidência da República

No Twitter, Bolsonaro critica auxílio-reclusão e promete rever regras

'Decidimos que avançaremos nesta questão jamais colocada em pauta quando se trata de reforma da previdência e indevidos', escreveu o presidente

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2019 | 07h37

O presidente Jair Bolsonaro criticou a forma atual de pagamento do auxílio-reclusão, concedido a famílias de detentos, e prometeu rever as regras para desinchar a máquina pública e "fazer justiça". O comentário foi feito em sua conta no Twitter.

"O auxílio-reclusão ultrapassa o valor do salário mínimo. Em reunião com ministros, decidimos que avançaremos nesta questão jamais colocada em pauta quando se trata de reforma da previdência e indevidos. Em cima de muitos detalhes vamos desinchando a máquina e fazendo justiça", escreveu Bolsonaro.

Conforme o Estadão/Broadcast relevou no fim de dezembro, o novo governo vai focar em medidas que não dependem da aprovação do Legislativo antes de apresentar uma proposta de reforma da Previdência. Uma dessas medidas é a implementação de uma carência para que o segurado do INSS receba o auxílio-reclusão. A ideia é estipular uma exigência de 12 contribuições mensais, carência não existente hoje.

Bolsonaro também falou sobre segurança pública e a atuação de policiais. "Sem garantias necessárias para os agentes de segurança pública agirem em prol do cidadão de bem, a diminuição dos crimes não vai ocorrer na velocidade que o brasileiro exige. Os poderes legislativo, executivo e judiciário têm que assumir este compromisso urgentemente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.