No Twitter, Xico Graziano ataca Aécio

Coordenador do programa de Serra ironiza derrota em Minas; tucanos reagem a crítica de Lula a seu candidato

José Orenstein, Eduardo Kattah, Marcelo Portela e Álvaro Campos, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2010 | 00h00

Era perto das 20 horas. Ainda não estava confirmada a vitória de Dilma Rousseff, mas no Twitter o coordenador do programa de governo de José Serra, Xico Graziano, já tinha começado a lavar a roupa suja da campanha tucana, mandando uma indireta ao senador eleito Aécio Neves. "Perdemos feio em Minas Gerais. Por que será!?", ironizou.

O presidente nacional do PSDB, Sergio Guerra, saiu em defesa de Aécio. "Não faz o menor sentido, não posso concordar com isso", disse, sobre a suposta traição do mineiro. Depois, repreendeu Graziano. "Ele não tem autorização do partido para falar uma coisa dessas e está completamente equivocado."

Horas antes, ao votar numa escola da zona sul de Belo Horizonte, o senador eleito já tinha se adiantado a cobranças sobre seu papel na campanha. "Fizemos nosso dever de casa. Apoiamos Serra com todo entusiasmo."

Aécio foi generoso nos elogios ao presidenciável, definido como "um leão" e "um lutador" na campanha. "O seu esforço pessoal, físico, foi enorme. Ele fez o que poderia fazer. É claro que, depois que termina uma eleição, você sempre encontra problemas aqui, acolá. Mas eu acho que o saldo final é muito positivo."

A movimentação dos oposicionistas ontem não se limitou ao fogo amigo. Eles também revidaram a afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que Serra saiu da eleição "menor" do que entrou. "Quem sai menor é o Lula, pela forma como ele se envolveu na eleição, quebrando as regras do decoro presidencial e da própria legislação", disse o senador eleito por São Paulo, Aloysio Nunes Ferreira.

O candidato a vice de Serra, Índio da Costa (DEM-RJ), também disse que quem encolheu politicamente foi Lula. Para ele, o presidente "sai do tamanho de um Playmobil" da campanha.

A manifestação mais extensa sobre o assunto partiu do próprio Aécio, em nota divulgada depois da confirmação da eleição de Dilma. "O PSDB sai das eleições maior do que entrou. E isso é bom para o Brasil."

"O PSDB se orgulha do candidato e das propostas que apresentou ao País", disse o ex-governador no texto. "Ao defender os valores democráticos e éticos, ao criticar o aparelhamento da máquina pública, o PSDB se transformou na voz de setores importantes da nossa sociedade, que levaram as eleições presidenciais para o segundo turno."

Apontado como futuro líder da oposição no Congresso, Aécio já deu sinais do papel que pretende exercer. Afirmou que pretende costurar apoios para criar uma agenda própria do Parlamento, evitando a "submissão" ao Executivo. Também pediu uma mudança de atitude do PSDB. "Temos de ampliar nosso leque de alianças, que não pode ficar exclusivamente com DEM e PPS." /

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.