No último discurso, tucano esboça otimismo e pede ofensiva a aliados

No último discurso do primeiro turno da campanha presidencial, o candidato do PSDB, José Serra, esboçou otimismo a respeito de um novo round na disputa e conclamou uma união das lideranças tucanas para uma forte ofensiva por todo o País.

Julia Duailibi, Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2010 | 00h00

Numa campanha que foi marcada pela ausência de empenho nos Estados por parte de alguns tucanos, o presidenciável disse que pedirá aos demais aliados que não viajem até novembro para fazerem parte de uma força-tarefa após 3 de outubro - pesquisas apontam diminuição da vantagem de Dilma Rousseff (PT), mas ainda não há certeza sobre um segundo turno.

"Trabalhei o tempo inteiro pela unidade. É evidente que pessoas que trabalharam pelas suas campanhas, alguns poderão ajudar muito na campanha nacional", afirmou em evento organizado pelo partido na Mooca, zona leste paulistana.

Adotando um tom mais brando, sem citar a adversária, o tucano voltou a fazer o discurso da ética. "Temos convicção de que a gente pode fazer o País avançar. Que podemos ter um governo ético, voltado para as pessoas, não para a patota. Voltado para o povo brasileiro", disse o candidato, mais tarde, em discurso para cerca de mil pessoas.

Assim como Serra, as demais lideranças do PSDB também adotaram o discurso de otimismo a respeito de um segundo turno. "A eleição não acabou. Intenção de voto vira voto. Vamos passar a mão no telefone, mandar e-mail, adesivar o carro. Serra vai chegar ao segundo turno domingo. Vamos fazer grande mutirão de hoje até domingo", declarou o candidato ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O evento separou a militância dos principais caciques do partido. As lideranças circulavam numa ala vip na área externa do Moinho Santo Antonio, casa de eventos do bairro onde Serra nasceu. Sobre eventuais articulações com Marina Silva (PV) diante da perspectiva de segundo turno, Serra afirmou que seria "desrespeitoso" com a candidata insinuar qualquer tratativa neste momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.