Noam Chomsky assina manifesto pró-Heloísa e anti-Lula

Estrela dos Fóruns Sociais Mundiais realizados em Porto Alegre, em 2002 e 2003, com apoio do PT, o lingüista e ativista norte-americano Noam Chomsky assinou, com outros 358 militantes, um manifesto internacional de apoio à candidata da Frente de Esquerda (PSOL/PSTU/PCB) à Presidência, a ex-petista e senadora Heloísa Helena (AL).O texto acusa o governo do presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, de ter desapontado milhões de pessoas e afirma que a parlamentar "levanta bandeiras históricas" dos movimentos sociais. Procurado pelo Estado, Chomsky, professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA, respondeu por e-mail que não poderia dar entrevista no momento, por estar atarefado e tratar-se de assunto "complexo".Nos fóruns realizados em Porto Alegre, Chomsky se destacou por suas críticas ao governo do presidente George Bush e à ameaça de invasão norte-americana e britânica do Iraque, que se concretizaria em março de 2003. Lula também participou dos encontros, em 2001, 2002 e 2003. Neste último ano, Lula também participou do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, gerando críticas da esquerda por sua aproximação do "capital financeiro"."Muitos de nós assinamos, dois anos atrás, um protesto contra a exclusão de Heloísa Helena e de outros parlamentares do PT, o Partido dos Trabalhadores brasileiro", diz o manifesto. O texto continua com "Enquanto o governo Lula seguiu um típico curso social-liberal, desapontando milhões de pessoas que votaram nele com a esperança de uma mudança social e política radical e pessoas do mundo inteiro que esperavam do Brasil um novo impulso à luta antiimperialista, Heloísa Helena e seus camaradas permaneceram fiéis ao programa antiimperialista e socialista original do PT. Ela é hoje a candidata nas eleições brasileiras que levanta as bandeiras históricas do movimento operário brasileiro, dos camponeses, dos pobres e dos oprimidos".As "bandeiras" levantadas por Heloísa, segundo os ativistas que assinam o manifesto, são: reforma agrária radical, suspensão do pagamento da dívida externa, rejeição da Área de Livre-Comércio das Américas (ALCA), redução da jornada de trabalho sem redução de salário, suspensão do uso de transgênicos e apoio à Aliança Bolivariana das Américas (Alba, proposta pela Venezuela). Curiosamente, pelo menos parte do comando do PSOL recebeu com reserva alguns desses pontos, principalmente a suspensão do pagamento dos débitos internacionais e o apoio à proposta de Alba.ApoiosOutros signatários do documento são o deputado português Francisco Louçã, integrante do Bloco de Esquerda; o sociólogo francês Michael Lowy; o filósofo Daniel Bensaïd, integrante da Liga Comunista Revolucionária da França; o cineasta britânico Ken Loach; o economista norte-americano Robert Brenner. "As eleições brasileiras interessam aos socialistas de todo o mundo", afirmam os ativistas no manifesto. "Em solidariedade com os pobres e as massas brasileiras exploradas, nós apoiamos a candidata socialista nas próximas eleições presidenciais brasileiras, Heloísa Helena", afirma o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.