Norambuena e Canalles recebem visita de advogados

Os advogados Alberto Espinoza, do Chile, e o brasileiro Jaime Motta estiveram nesta quinta-feira na Casa de Custódia de Taubaté, visitando os seqüestradores Maurício Hernandez Norambuena e Alfredo Canalles.Os advogados chegaram a Taubaté por volta do meio-dia acompanhados das irmãs dos seqüestradores, Cecília Hernandez e Mari Carmen Canalles, e ainda pela representante da Organização de Defesa Popular, Dolorez Lopes.Ao chegarem , por volta do meio-dia, eles não foram recebidos pela direção do presídio, já que não tinham ordem para entrar. No período da tarde, por volta das 13h30, os advogados e as mulheres conseguiram entrar na penitenciária, considerada de segurança máxima, com autorização da Secretaria de Administração Penitenciária.O grupo chileno só deixou a penitenciária por volta das 17h, e, ao sair, comentaram que eles estavam sendo bem tratados, apesar de estarem em celas isoladas. Na Casa de Custódia de Taubaté, todos os presos do Anexo, lugar onde ficam os de alta periculosidade, ficam em celas individuais.O advogado brasileiro chegou a comentar que os seqüestradores reclamaram ter sido torturados em Serra Negra. Na saída, um dos advogados disse que iria pedir a saída dos presos do isolamento. A assessoria de imprensa da Secretaria de Administração Penitenciária permitiu a visita, e os seqüestradores que ganharam das irmãs pacotes de bolachas e produtos de higiene pessoal. ?Eles estão mais ou menos?, disse apenas Cecília Hernandez ao deixar a penitenciária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.