Nos bastidores, embaixador fala em retaliação imediata

Brasil considera ?inaceitáveis? as propostas e manda dizer que não aceita ?tutelas? ou prazos

Rui Nogueira, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

15 Agosto 2008 | 00h00

O governo brasileiro considera "inaceitáveis" as propostas do Reino Unido e mandou dizer que não aceita "tutelas" nem prazos unilaterais. Pela Mensagem 209/08, de 21 de julho, o Ministério da Justiça comunicou ao embaixador britânico, Peter Collecott, que considera a volta do "regime bilateral de vistos" um "retrocesso no contexto das densas e tradicionais relações anglo-brasileiras". Nos bastidores, em reunião no Itamaraty, o Estado apurou que o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, sugeriu que o Brasil se antecipasse às ameaças britânicas e adotasse imediatamente a exigência dos vistos no primeiro avião do Reino Unido que chegasse a um aeroporto brasileiro. Em vez disso, o governo decidiu informar que "considera oportuna a convocação, no mais breve prazo, de reunião de alto nível entre autoridades consulares e migratórias dos dois países". Até ontem, o governo britânico não havia respondido às solicitações. Para o Itamaraty e o Ministério da Justiça, o governo britânico está propondo condições inaceitáveis para criar um fato consumado e adotar logo a obrigatoriedade de visto para turista. Para o presidente do Comitê Nacional para Refugiados (Conare), Luiz Paulo Barreto, é despropositado o enquadramento da imigração brasileira no perfil de quem oferece indícios de viajante que possa ser "terrorista" ou "criminoso". "O perfil do brasileiro é de quem vai estudar ou trabalhar em funções humildes para ganhar dinheiro e voltar ao País." Na comunicação oficial, Tarso Genro diz que o Brasil "tem plena disposição de colaborar com as autoridades britânicas" para que sejam adotadas "medidas conjuntas", mas "à margem de um regime de tutela, do tipo Visa Waiver Test, e sem prazo estipulado". O governo Lula disse oficialmente que aceita fazer campanhas informativas sobre os riscos e conseqüências da imigração irregular e seminários para agências de turismo e representantes de empresas aéreas, além de aumentar a cooperação bilateral entre a Polícia Federal e as autoridades britânicas. Dessa forma se aceitaria a presença de um policial britânico nos aeroportos brasileiros, desde que sob comando da PF e de que o mesmo ocorresse com policiais brasileiros em Londres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.