Nossa cidade hoje fala por mim

A partir de anotações feitas no contato com a população, o prefeito Gilberto Kassab reúne observações neste artigo em que o narrador é a própria São Paulo

, O Estadao de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 00h00

Hoje estou feliz! Não por estar fazendo aniversário, mas por sentir que estou recebendo mais atenção e cuidados de vocês ultimamente. Isso me estimula a mudanças e transformações. Na verdade, desde que nasci, há 455 anos, nunca parei de mudar. Benditos os que me plantaram aqui no Planalto de Piratininga, os que lavraram minhas terras, desbravaram meus caminhos, abriram minhas ruas, criaram bairros com suas casas, me irrigaram com o suor do seu trabalho, encheram meus dias com a energia das suas famílias, e me alegraram com suas crianças, com o apito das fábricas e o fervilhar de suas esperanças.A todos ofereci solo fértil, matas vivas, águas límpidas, céu azul e ar puro sob um céu de estrelas. E vocês foram chegando, ora tangidos pelas guerras; ora embalados por sonhos de uma vida melhor. Vieram de além mar, desse Brasilzão de Deus e semearam seus cafezais, canaviais, armazéns, chaminés, avenidas, arranha-céus... É uma longa caminhada. Muito construímos e destruímos, transformamos e deformamos nessa grande aventura do progresso, em busca de conforto e de novos horizontes.Guardo lembranças de alegrias estimulantes e tragédias de cicatrizes profundas. Mas uma verdade eu lhes digo: nunca estive só. Senti sempre ao meu lado o calor solidário da presença e das preces de vocês. Revivi no vigor dos braços dados quando bradamos por mais liberdade, por ética, por mais direitos, respeito e trabalho.Revigorei-me nas revoluções que exibiram a nossa arte, as nossas letras, as conquistas no esporte, nas áreas da ciência e do conhecimento. Juntos, defendemos cores de nossa bandeira, nossos valores, nossas verdades... Até hoje - sou testemunha - lutamos o bom combate, procurando as janelas de luz e transparência para iluminar algumas muitas escuridões que ainda me assolam.Mas, hoje, dia do meu aniversário, falo de alegria! Permitam-me abrir o coração e dividir minha felicidade, meus sentimentos simples com vocês. Principalmente porque, claro, estou melhor. Sinto-me bem, como uma cidade limpa, e sei quanto foi preciso de coragem para fazer essa limpeza acontecer.O empresário Hideaki Iijima sabe. Todo dia, das 4h30 às 6h30, ele varre as calçadas de uma das minhas ruas, a Alameda Santos. E recolhe 100 quilos de papéis, latinhas, cigarros, restos, lixo que jogam em mim. "É como limpar a alma", diz ele. Concordo.Muita gente faz como o senhor Iijima. Já há empresas e pessoas cuidando de 850 praças e canteiros meus, digo, nossos. Tenho 97 praças novas. Sinto carinho em todos esses cuidados. Tenho ecopontos (caçambões) onde vocês podem - e devem - depositar detritos, restos de construção. Ah, e tem a operação cata-bagulhos - nome gozado esse! -, que me ajuda muito, pois me preocupa bastante essa montanha de lixo nos meus rios e córregos, entupindo minhas artérias e causando enchentes.Por favor, ajudem para que eu seja a cada dia uma cidade mais limpa. Não joguem em mim o que não querem nos quintais, ruas, bairros, pois esses são lugares seus, mas - não se esqueçam - isso tudo sou eu. Esse lixo alimenta baratas, escorpiões, ratos e mosquitos que trazem doenças. Ninguém gosta disso, muito menos uma cidade exigente como eu, como toda cidade deve ser, não é mesmo? E não é só uma questão de vaidade. É de saúde, também. Vejam só: não tivemos nenhum caso de dengue entre junho e dezembro do ano passado, e registramos apenas dois casos em dezembro. Estou feliz com vocês! Minhas escolas (ainda não todas) têm dois professores nas salas de aula. Que felicidade ver o brilho nos olhinhos dos alunos que estão aprendendo melhor. Vocês nem imaginam! Mas ficarei feliz mesmo quando todos vocês, pais e mães, colocarem a escola de seus filhos na lista de suas preocupações maiores. Peço que me ajudem, colaborem com os professores, participem, se envolvam com o dia a dia da escola das nossas crianças. Desculpem-me, se no meio de tantas lutas que vencemos, tantas dificuldades que vocês enfrentam todo dia, esteja eu aqui cobrando atitudes e comportamentos. Na verdade, estou pedindo cumplicidade. O que quero dizer é que sou capaz, sim, de me transformar, mudar e melhorar ainda mais. E sabem por quê? Porque eu sou em grande parte o resultado da vontade, da decisão de vocês! E quero que vocês saibam - neste dia em que me permito a retórica de tantos sentimentos - que sou tudo o que sou, em grande parte, pela vontade, pela decisão de vocês. Sou rua, bairro, casa, escola, parque, cinema, feira livre, aeroporto, hospital, teatro, estádios, universidade... É isso, sou fruto do trabalho, inconformismo, criatividade, sentimentos e valores de vocês. Mas podemos mais! Quero que vocês exijam, reivindiquem, denunciem, fiscalizem os que têm obrigação de cuidar de mim, de nós. Mas também peço mais do que críticas e o obrigatório respeito pelas leis e regras que nos regem: participem! Benefícios e obrigações, facilidades e deveres andam aos pares, são espelhos, cimento da nossa convivência.Peço desculpas por ser o que, muitas vezes, vocês não querem que eu seja, mas lembrem-se: eu fui, sou e serei sempre o que vocês quiserem. O que nós decidirmos. Serei mais limpa, mais verde, mais saudável, mas cordial, mais colorida, mais solidária... Todo gesto, toda ação, tudo o que cada um fizer por mim, por menor que seja, será enorme se somarmos nossa vontade de 11 milhões que hoje vivem em mim.Vamos nos dar, neste 25 de janeiro, o presente de sermos mais companheiros, mais irmãos, vizinhos e cidadãos cada vez mais comprometidos na defesa de causas e bandeiras que nos unam e nos engrandeçam. Feliz aniversário para vocês também, Paulistanos!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.