'Nossa contribuição tem conteúdo e carrega experiência nos Estados'

Eduardo Campos. Presidente do PSB

, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

O presidente do PSB, Eduardo Campos, diz que o partido se concentrou em temas concretos e evitou especulações como controle social da mídia, que constava do primeiro programa do PT, ou controle social, do segundo.

Como são as propostas do PSB? O que pode efetivamente ser colocado em prática?

Não podemos cair na tentação de colocar o programa de governo só nas mãos dos intelectuais, com delírios, elucubrações e recaídas ao tempo em que tinham 20 anos, sem fazer o debate com os cidadãos. Os programas devem ser mais enxutos, mais verdadeiros.

Os senhores confiam que a sugestão do PSB será aproveitada?

Queremos crescimento que inclua. Um Estado que possa ser aperfeiçoado, para fazer melhor saúde, segurança, cuidado com o meio ambiente. Temos contribuição e sugestões na política de defesa, da política monetária.

O sr. não teme que o PT imponha sua linha no programa e deixe os aliados de fora?

Não trabalho com imposição, nem aceitando nem fazendo. Trabalho com a ferramenta do diálogo, do convencimento. Nossa contribuição tem conteúdo, carrega experiência de gestões bem-sucedidas que o PSB faz nos municípios e nos Estados. Nosso pessoal tem a oferecer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.