Notícia da prisão surpreende mulher de Henry Sobel

A notícia da prisão do presidente do rabinato da Congregação Israelita Paulista (CIP), Henry Isaac Sobel, de 63 anos, em Palm Beach, Flórida, acusado de furtar cinco gravatas de grife, surpreendeu até a mulher do rabino. A artista plástica Amanda Sobel, afirmou ao Estado que sequer sabia do caso. ?Não acredito nisso, só pode ser mentira?, disse ela, que nasceu em Nova York e morou em Palm Beach. ?Ele estava de fato lá na Florida, mas não falou nada comigo sobre prisão ou gravatas. Só pode ser armação. Vamos provar que essa notícia é completamente falsa.?Após a divulgação da notícia, o rabino Henry Sobel pediu, o afastamento do cargo de presidente do rabinato da CIP. Em nota divulgada à imprensa, Sobel disse: "Jamais tive a intenção de furtar qualquer objeto em toda a minha vida. Pessoalmente, estou habituado a enfrentar crises e acusações de que posso me defender. Só não posso admitir que tentem desqualificar os valores morais que sempre defendi?.O rabino Henry Sobel, preso na última sexta-feira em Palm Beach, Flórida, acusado de roubar gravatas em uma loja Louis Vuitton, divulgou "esclarecimento" por intermédio de assessoria de imprensa afirmando que "jamais tive a intenção de furtar qualquer objeto em toda minha vida". "Pessoalmente estou habituado a enfrentar crises e acusações de que posso me defender. Só não posso admitir que tentem desqualificar os valores morais que sempre defendi", acrescenta a nota.A Congregação Israelita Paulista (CIP) aceitou o pedido de afastamento temporário de Sobel, conforme nota divulgada na noite desta quinta. Depois de se declarar "consternada e preocupada" com as notícias Sobel, a CIP lembra que "o rabino está há mais de 35 anos na CIP atuando como líder comunitário, tendo prestado ao longo destes anos serviços relevantes à sociedade como um todo". A CIP manifesta respeito e consideração ao rabino, "colocando-se à disposição para ajudá-lo no que for necessário".A prisãoA câmera de vigilância interna da loja Louis Vuitton filmou Sobel dobrando a gravata e, em seguida, deixando o local com as mãos vazias. Um funcionário acionou a polícia, que o abordou nos arredores da loja. Nas proximidades da loja, um policial se aproximou de Sobel, que imediatamente negou ter roubado qualquer mercadoria. Avisado de que havia sido filmado pela câmera da loja, ele então admitiu ter furtado a gravata e se ofereceu a pagá-la. O rabino levou o policial até seu carro, onde o item estava guardado. Em uma sacola, a polícia encontrou gravatas das marcas Louis Vuitton, Giorgio´s, Gucci e Giorgio Armani, que Sobel admitiu também terem sido roubadas. Ele foi detido e levado a delegacia de Palm Beach, onde passou a noite. No sábado, Sobel foi liberado após pagar fiança de US$ 3 mil.Colaboraram Mel Bornstein, Bruno Tavares e Rodrigo Brancatelli

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.