Tomaz Silva/Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil

Notícias do dia: Bolsonaro x Doria, nomeação de Ramagem anulada e recorde de casos de covid-19

Posse de substituto de Moro na Justiça, caso Adelio, polêmicas sobre isolamento, recuo recorde do PIB dos EUA e o avanço da epidemia no Reino Unido também foram assuntos desta quarta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2020 | 19h54

O Brasil registrou novo recorde de casis e quase 500 mortes pelo coronavírus nas últimas 24 horas. Por conta da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro entrou em confronto com o governador João Doria. Já o ministro da Saúde Nelson Teich afirmou que estuda ações para orientar o isolamento social.

O novo ministro da Justiça André Mendonça tomou posse nesta quarta-feira. Bolsonaro anulou a nomeação de Alexandre Ramagem para a Polícia Federal, mas diz que ainda sonha em tê-lo no cargo.    

Leia também sobre o caso Adelio, a comparação do isolamento com os campos de concentração feita pelo chanceler brasileiro, o recuo recorde do PIB dos EUA e o avanço da epidemia no Reino Unido

Veja abaixo a lista das principais notícias do 'Estadão' nesta quarta-feira, 29 de abril de 2020:

1. Bolsonaro desautoriza AGU e diz que vai recorrer por nomeação de Ramagem: 'Quem manda sou eu'

O presidente Jair Bolsonaro baixou decreto anulando a nomeação do ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem, para a direção-geral da Polícia Federal. O ato ocorre após o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, suspender a troca de comando da PF. Duas horas após a Advocacia-Geral da União (AGU) informar que não iria recorrer da liminar que suspendeu a nomeação, o presidente disse que o governo vai tentar reverter a decisão.

Leia também: Eliane Cantanhêde: Decisão de Alexandre não foi de um ministro, mas de um Poder

2. Sem citar Moro, novo ministro da Justiça se diz 'servo' e chama Bolsonaro de 'profeta'

O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, tomou posse nesta quarta-feira, 29, prometendo uma atuação técnica, se disse um "servo" e fez um discurso elogioso ao presidente Jair Bolsonaro, a quem se referiu como "profeta no combate à criminalidade". Sem citar o antecessor, Sérgio Moro, prometeu aumentar o número de operações da Polícia Federal. 

3. Superintendente exonerado da PF diz que investigação sobre Adelio foi imparcial

O delegado da Polícia Federal Rodrigo Teixeira, ex-superintendente da corporação em Minas Gerais, avalia que foi exonerado do cargo, em fevereiro do ano passado, por contrariar o desejo do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos na condução da investigação sobre a tentativa de assassinato do então candidato presidencial na eleição de 2018. Ele acredita que o clã Bolsonaro demonstrava interesse de que a apuração chegasse à conclusão de que o autor da facada, Adélio Bispo de Oliveira, tinha sido financiado por partidos políticos ou uma organização criminosa. 

4. Brasil registra 449 mortes por coronavírus e recorde de casos nas últimas 24 horas

O Brasil registrou 449 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo dados atualizados nesta quarta-feira, 29, pelo Ministério da Saúde. Com isso, o total oficial de vítimas da covid-19 no País chegou a 5.466, e a taxa de letalidade está em 7%.

Leia também: Grande São Paulo já tem 85% dos leitos de UTI ocupados; Estado tem 198 mortes em 24 horas

5. 'Saia da sua bolha e venha ver a situação de São Paulo', diz Doria a Bolsonaro

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou duramente a postura do presidente Jair Bolsonaro no combate ao avanço do novo coronavírus no País. Na terça-feira, ao ser questionado sobre as mortes na pandemia, Bolsonaro perguntou "Quer que eu faça o que?". Hoje, o presidente voltou a criticar governadores, citando Doria, que respondeu: "Eu posso enumerar atitudes que o senhor deveria ter tomado e não adotou", disse o governador de São Paulo.

Leia também: Não vão botar mortes no meu colo', diz Bolsonaro, que volta a criticar governador

6. Teich diz que 'ficar em casa' vai valer para algumas pessoas e conforme a região

O ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou que a política em estudo pela pasta vai orientar o isolamento social para algumas pessoas e conforme o quadro do novo coronavírus em cada região do País, e não para todos. O planejamento está sendo desenhado, reforçou o ministro, e demonstra uma mudança na orientação atual das autoridades.

Leia também: 'Não vou discutir comportamento', diz Teich sobre postura de Bolsonaro

7. Casos de covid-19 dobram em Blumenau após reabertura de shoppings

Os números da covid-19 praticamente dobraram em Blumenau, em Santa Catarina, em apenas uma semana, desde a reabertura dos shoppings da cidade, quando foram registradas imagens de filas e grande aglomeração nos centros comerciais. Na última quarta-feira, 22, os casos confirmados eram 98. Nesta terça, segundo a Prefeitura, o município já registrava 194 doentes.

Leia também: Amazonas endurece regras de isolamento e critica 'pouquíssima ajuda' federal

8. Associação judaica dos EUA cobra desculpas de chanceler brasileiro

A Confederação Israelita do Brasil condenou o comentário do chanceler Ernesto Araújo que compara medidas de distanciamento social com os campos de concentração nazistas. A entidade afirmou não haver comparação possível entre uma medida adotada em todo o mundo para combater uma pandemia e uma ação persecutória e racista contra uma minoria que levou à morte de seis milhões de judeus na Europa. 

9. PIB dos EUA cai 4,8% no 1º trimestre, maior queda desde a Grande Depressão

A economia dos Estados Unidos recuou no primeiro trimestre a seu ritmo mais acentuado desde a Grande Recessão, após a crise de 2008, uma vez que medidas rigorosas para retardar a propagação do novo coronavírus quase interromperam a atividade no país, encerrando a mais longa expansão da história norte-americana.

Leia também: EUA vivem pior situação econômica em dez anos. O que vem a seguir?

10. Reino Unido tem 2º maior número de mortes por covid-19 na Europa

O Reino Unido tem agora o segundo maior número oficial de mortes na Europa devido à nova pandemia de coronavírus, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira, 29, que cobrem óbitos em todos os locais, incluindo em casas de repouso. Com 765 novas mortes o total de óbitos subiu para 22.443, ficando atrás de Estados Unidos, com 58.529 mortos, e Itália, com 27.682.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.