Nova denúncia de pedofilia contra padre de MG

O padre Bonifácio Buzzi, de 41anos, foi acusado novamente, na noite deste sábado, de praticar atosde pedofilia. O Ministério Público de Minas Gerais apresentoumais uma denúncia de abuso sexual contra o religioso, integranteda Arquidiocese da cidade histórica de Mariana (MG), e que estápreso na Delegacia de Polícia Civil de Ouro Preto, desde aúltima quinta-feira.Segundo a nova acusação, Buzzi teriamolestado um garoto de 10 anos, que reside na zona rural dacidade. O menor teria confirmado ao promotor Antônio Carlos deOliveira, em depoimento, no Fórum de Mariana, que manteverelações sexuais com o padre."Essa criança relatou que, por três vezes, teve encontrossexuais com o padre José Bonifácio, que o convidava para irpescar e, durante a pescaria, ambos ficavam nus e os atoslibidinosos eram praticados", disse o promotor.O sacerdote foi preso na quinta-feira passada após ser acusadode abusar sexualmente de outra criança de 10 anos, tambémmoradora da zona rural de Mariana. A denúncia foi apresentada aoMinistério Público pela mãe da suposta vítima, Maria LúciaOlaria.O padre apresentou-se à polícia depois que sua prisãopreventiva foi decretada.Em depoimento ao juiz da Comarca de Mariana, Antônio CarlosBraga, nesta sexta-feira, o padre negou que tenha molestadoo menor e disse que a criança pode ter fantasiado a situação deabuso sexual, mas admitiu ter passeado de carro com o menor.Buzzi alegou ainda que tem problemas psicológicos, e sua defesasolicitou exames de sanidade mental. O interrogatório foi aportas fechadas e durou pouco mais de uma hora.Após odepoimento, ele saiu sem dar declarações e foi levado de volta àdelegacia de Ouro Preto.Em 1998, o padre foi condenado a nove anos de prisão por cometercrimes sexuais contra duas crianças, de 5 e 11 anos, em umdistrito de Santa Bárbara, cidade próxima a Mariana. Apesar decumprir a pena em regime semi-aberto, o religioso foireintegrado à arquidiocese da cidade histórica mineira e voltoua celebrar missas. Buzzi também é acusado de abuso sexual contracrianças em Joinville (SC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.