Nova pista alivia suspeita sobre filho de casal morto

A polícia identificou uma possível rota de fuga, com manchas de sangue e marcas de mãos nos muros de duas casas vizinhas à residência do casal assassinado na sexta-feira, 17, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. Segundo o delegado do Departamento de Polícia de Proteção à Pessoa (DHPP) José Vinciprova Sobrinho, pode-se concluir que existia uma 5ª pessoa dentro da casa durante o crime.O caso ainda é um mistério. A polícia chegou à casa perto das 7 horas da sexta-feira após denúncia de porteiros vizinhos, alertados por uma pedestre que passava pela Rua Caiová. Encontrou os corpos ensangüentados do aposentado Sebastião Estevão Tavares, de 71 anos, e Hilda Gonçalves Tavares , de 68. O filho do casal, Rogério Gonçalves Tavares, de 42, demorou para abrir a porta e estava com um ferimento na nuca. Além dele, estava dentro da casa Isaura Gonçalves, avó de Rogério, amarrada e trancada em um cômodo.Neste sábado, policiais do DHPP chegaram ao local do crime perto das 7 horas. Detectaram as manchas, falaram com vizinhos e buscaram a faca usada no crime, ainda não encontrada. A única faca que a polícia achou na sexta-feira estava limpa, num dos quartos. No terreno vizinho, nenhum objeto foi encontrado.Amigos de Sebastião, que era tesoureiro da Ordem dos Vicentinos, contaram que o idoso era generoso e freqüentava a Igreja Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Mariano Silveira, membro da ordem, conhecia Sebastião havia mais de 30 anos e, curiosamente, disse nunca ter ouvido falar do filho Rogério. De Valter, o filho aviador do casal, Sebastião sempre falava, segundo ele.Um parente que não quis ser identificado disse que o Rogério era um ótimo irmão. A família está chateada com a primeira versão da polícia e acredita na inocência de Rogério. Segundo o delegado Vinciprova Sobrinho, do DHPP, Rogério é considerado vítima."O médico que tratou dele diz que é impossível que ele tenha provocado o corte." Mesmo assim, ainda há a suspeita de que Rogério seja o autor do crime ou seu mandante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.