Nova ponte aérea vai ligar São Paulo ao Rio

Voos vão fazer a ligação entre o Campo de Marte e Jacarepaguá com passagens a R$ 280

Alberto Komatsu, O Estado de S. Paulo,

24 de setembro de 2009 | 09h37

Guichê da Team Brasil no Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio. Foto: Marcos de Paula/AE

 

RIO - A Team, companhia aérea regional, planeja inaugurar uma ponte aérea entre os Aeroportos de Jacarepaguá, zona oeste do Rio, e Campo de Marte, zona norte de São Paulo, com passagens a R$ 280. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já deu aval para a empresa e determinou que a Infraero faça as adequações nos dois terminais até o dia 10. Oficialmente, porém, nenhuma autoridade confirmou a data.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), fez duras críticas e promete comprar briga. A Infraero, que administra os dois aeroportos, deu parecer contrário para a Anac, mas vai cumprir a determinação. "A Anac podia criar o hábito de conversar com a prefeitura e com o governo do Estado. Podia ter a gentileza e delicadeza de consultar a prefeitura sobre o que ela acha de se colocar uma ponte aérea no Aeroporto de Jacarepaguá", afirmou Paes, ressaltando que vai usar todos os meios para impedir a criação da ponte aérea, como multas e medidas ambientais.

De acordo com o prefeito, ele só soube da determinação da Anac pela imprensa. "É um desrespeito com a população da Barra. Ninguém ali quer ponte aérea. A prefeitura vai brigar contra. E eu digo brigar porque eu queria poder dizer que eu vou argumentar contra, mas como a Anac tem um péssimo hábito de nunca consultar a prefeitura sobre nada, eles vão ter briga", acrescentou Paes.

O governo estadual informou que só vai se pronunciar após conhecer o projeto, mas acrescentou que está disposto a discutir o tema, se for consultado. O governo também afirmou que, se a nova ponte aérea for contra os interesses do governo, ele "vai reagir".

Em meados de março, tanto Paes quanto o governador Sérgio Cabral compraram briga com a Anac por causa da abertura do Aeroporto Santos Dumont para voos nacionais de longa distância, mas a medida entrou em vigor. A Anac foi procurada, mas não retornou as ligações até as 23 horas.

A diretora de Marketing da Team, Lygia Moreira Ventura, afirmou que assim que as adequações nos dois aeroportos forem feitas a empresa pode começar a operar em uma semana. O avião será um turboélice para 19 passageiros modelo LET 410, de origem checa. Segundo ela, serão quatro voos por dia, sendo dois de manhã e outros dois durante a tarde.

De acordo com ela, o objetivo é transportar os moradores da região da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, já que eles levam até duas horas para se deslocar até o Aeroporto Santos Dumont, sendo que o voo da ponte aérea demora 50 minutos. A Team tem atualmente dois turboélices que voam nos dias úteis do Santos Dumont para Campos, Macaé e Vitória. Nos fins de semana, a empresa voa para Angra dos Reis, Paraty e Búzios. Uma terceira aeronave deverá ser adquirida até o final do ano. Um Let 410 novo custa em torno de US$ 3,5 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoponte aéreaAnacEduardo Paes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.