Nova tarifa de ônibus em São Paulo divide governo

A prefeita Marta Suplicy (PT) disse nesta segunda-feira não acreditar em uma solução para o impasse em relação às tarifas de ônibus em São Paulo nesta semana. "Ainda não temos um valor e isso continua sendo estudado."O sindicato das empresas Transurb, divulgou à tarde um estudo segundo o qual a tarifa deveria ficar entre R$ 1,52 e R$ 1,58 para cobrir os custos do sistema sem subsídio.A Secretaria dos Transporte convocou uma entrevista coletiva no Palácio das Indústrias, na qual o secretário Carlos Zarattini e a prefeita iriam comentar o estudo, mas nenhum deles apareceu. O impasse não opõe apenas Prefeitura e Transurb. Há divisões na própria administração. Um assessor de Marta afirmou nesta segunda que a disputa entre Zarattini, a prefeita e os empresários está dificultando a decisão."Dificilmente a tarifa será de R$ 1,25, a queda-de-braço entre eles está grande", afirmou, referindo-se ao valor mencionado por Marta em entrevistas.A prefeita deve reunir-se nesta terça-feira com Zarattini para discutir o assunto.O estudo encomendado pelo Transurb, feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecape) da USP, é um contraponto ao feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), também da USP para a Prefeitura.Pela Fipe, o valor da tarifa deveria ficar entre R$ 1,27 e R$ 1,32 - a fundação refez os cálculos depois do reajuste de 6% concedido a motoristas e cobradores e apurou tarifa de R$ 1,30 a R$ 1,35. A Fipe estimou em R$ 120 milhões o custo do sistema. O professor Jerônimo Antunes, autor do estudo do Fipecap, calculou que, após o reajuste dos motoristas, o custo do sistema subiu de R$ 138 milhões para R$ 143 milhões, e o valor da tarifa ideal aumentou de R$ 1,52 para R$ 1,58. "Nós queremos que os custos sejam cobertos, não aumento de tarifa", afirmou o diretor-técnico do Transurb, Marcelo Marques, referindo-se ao subsídio. "Só vou comentar o estudo amanhã (nesta terça), não tive tempo de analisar", afirmou Zarattini.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.