Nova Zona Azul tem pouca adesão

Reportagem demorou a achar postos de venda de cartão de recarga e poucos motoristas sabiam das mudanças

Marcela Spinosa e Vitor Hugo Brandalise, O Estadao de S.Paulo

09 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrar um cartão de recarga da nova Zona Azul Eletrônica à venda em uma banca de jornal nos Jardins, zona sul de São Paulo, leva, em alguns casos, mais tempo que o período de permanência estacionado nas vias da região. A nova tecnologia de pagamento de vaga por celular, implementada também no Bairro Cidade Jardim, começou a ser testada ontem pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Nessas regiões, porém, poucos motoristas aderiram à novidade.Nos Jardins, a reportagem testou o serviço e, de sete bancas visitadas em dez vias, apenas uma, entre as Ruas Augusta e Oscar Freire, vendia o cartão. De acordo com a CET, 40 pontos estão credenciados para comercializar o produto. Pelo novo modelo, os créditos são adquiridos, ativados e desativados pelo celular, mas ontem não foi fácil usar o sistema, que deve ser expandido para toda a cidade até o fim de 2009.Os serviços custam R$ 18, que equivalem a 20 créditos a serem usados por até duas horas. Após adquirir o cartão, a reportagem seguiu a primeira opção: acessar um endereço eletrônico. Não deu certo. Na segunda alternativa, enviou-se um SMS à operadora do aparelho. Depois de enviar a mensagem, chegou a orientação para acessar o mesmo site e baixar o programa. Como o celular não tem acesso à internet, não houve cadastramento. O cartão foi ativado quando a reportagem ligou para o suporte técnico.Para ativar a Zona Azul, basta estacionar o carro e enviar uma mensagem de texto para a operadora do celular, informando a placa do veículo, a zona e o setor da via - disposto na parte superior das placas de sinalização. Para desativar, envia-se outra mensagem de texto para informar que se deixará o local.Pelo sistema do Cidade Jardim, deve-se ligar para o número 3065-5252, cadastrar-se, dar o número do CPF e do cartão de crédito para ativar a Zona Azul Eletrônica. Ao estacionar, é preciso ligar para o mesmo telefone e passar o número da vaga, colada no meio-fio. Ao ir embora, liga-se outra vez para o mesmo número e é informado o término de permanência no local.A reportagem conversou com dez usuários da Zona Azul. Apenas um sabia que as tecnologias estavam em testes. "Não troco o talão. É mais fácil comprar do que ficar ligando para ativar os créditos", disse o estudante Marcelo Nam, de 21 anos. Para o gerente de Estacionamento da CET, Celso Buendía, é uma questão de tempo para o paulistano aderir aos novos sistemas. "É o primeiro dia. Haverá algumas falhas, mas os testes são para aprimorar o sistema. Tudo o que é novo causa estranheza, mas acreditamos que as pessoas as utilizarão."Para ele, são duas as vantagens das novas tecnologias: a primeira é que o motorista terá duas horas - e não uma como acontece com os talões - para deixar o carro estacionado. E a segunda é que o motorista, pelo celular, não precisará retornar ao local onde o veículo está estacionado para colocar uma nova folha, caso ultrapasse o período de permanência permitido pelo talão.Os veículos que aderirem aos novos sistemas continuarão a ser fiscalizados pelos marronzinhos. Ao digitar em um celular a placa do veículo, os agentes receberão os dados para fazer ou não a autuação. CIDADE JARDIMEm quatro ruas visitadas pelo Estado no Bairro Cidade Jardim, onde a CET testa o sistema de zona azul via celular, os motoristas ainda não haviam atentado para a novidade. Nos veículos estacionados nas ruas, os velhos talões estavam nos painéis. "Acho boa a idéia, ainda mais aqui que tem pouco comércio, poucos locais para comprar os talões", disse a arquiteta Cristina Junqueira, de 43 anos, que estacionava na Rua Grécia. "Mas tem de ser melhor divulgado, ninguém aqui ouviu falar no sistema."Segundo agentes da CET que atuam na região, o movimento do dia ainda foi "fraco". A CET não fez um balanço do cadastramento do novo sistema ontem e deve divulgar essas informações hoje. A companhia informou somente que na região de Cidade Jardim foram registradas 120 ligações no número 3065-5252 solicitando informações sobre o novo sistema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.