Novais promete atacar ''farra de emendas''

Ministro do Turismo, que pagou motel com verba da Câmara, diz que focará áreas que permitem uso ilegal de dinheiro público

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2011 | 00h00

Numa posse prestigiada em peso pelos principais caciques do PMDB, o novo ministro do Turismo, deputado Pedro Novais (PMDB-MA), anunciou ontem que uma de suas prioridades será "a eliminação de áreas críticas" da pasta que permitem desvio de verbas públicas, como a promoção de festas e eventos financiados com recursos de emendas parlamentares.

Com orçamento de R$ 800 milhões anuais, o Ministério do Turismo é uma das pastas mais pobres, mas sua dotação é reforçada por outras vias, mediante emendas, fonte de fraudes, conforme mostrou uma série de reportagens publicadas no Estado em dezembro. No ano passado, por conta dessas emendas, a fatia do orçamento do Ministério do Turismo inflou para R$ 4,1 bilhões e este ano a previsão era de R$ 6 bilhões.

Emocionado, Novais agradeceu a confiança da presidente Dilma Rousseff, mas lamentou que a alegria do convite tenha se misturado com a "indignação" diante do que rotulou de "campanha sórdida, à base de calúnias e ignomínias", contra ele. O ministro se referia ao escândalo do pagamento de conta de motel com verba indenizatória, revelado pelo Estado. Novais pediu ressarcimento à Câmara de uma nota fiscal no valor de R$ 2.156, por uma festa num motel em São Luís, no Maranhão. Um dia depois da denúncia, reconheceu em nota ter cometido "um erro" e devolveu o valor aos cofres públicos.

Ontem, para evitar maiores constrangimentos, o ministro foi protegido pela assessoria e não deu entrevista à imprensa após a posse.

Assíduo. Novais disse que nunca falta ao trabalho e avisou à equipe que "não vai ter moleza". "Até hoje só baixei em hospital duas vezes - uma para operar das amígdalas e outra para retirar uma hérnia", disse. Para demonstrar sua vitalidade, afirmou que na última campanha eleitoral percorreu 40 mil quilômetros de carro e outros tantos de avião.

PARA LEMBRAR

No dia 22, o Estado revelou que o então deputado Pedro Novais pediu ressarcimento à Câmara por despesas em um motel em São Luís (MA). Ele apresentou nota fiscal de R$ 2.156 na prestação de contas da verba indenizatória em junho. A suíte mais cara do motel custa de R$ 98 (3 horas) a R$ 392 (24 horas). Segundo a gerente, Novais teria alugado um quarto para fazer uma festa. Ele nega as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.