Novais será alvo do corregedor, prevê Maia

Para evitar desfecho 'à Jaqueline', PSOL aguardará providências antes de acionar Conselho de Ética

Denise Madueño / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2011 | 00h00

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), prevê que a corregedoria da Casa vai apurar o suposto desvio de dinheiro público pelo ex-ministro do Turismo Pedro Novais (PMDB-MA) assim que ele reassumir seu mandato na Casa. Ele afirmou que a Mesa tomará uma posição sobre as denúncias, se for provocada por um partido ou deputado.

Marco Maia condenou o uso de dinheiro da Casa em atividade privada. "É inadequado esse tipo de comportamento. Vamos dar oportunidade para que o deputado se explique. Precisamos ouvir o deputado Pedro Novais e saber se há uma explicação cabível", disse. "Não podemos condenar por antecedência."

Maia ponderou não ser natural a Mesa tomar a iniciativa de pedir a investigação. Por isso, vai esperar um pouco para ver se haverá algum pedido de apuração.

Já o PSOL aguarda providências da corregedoria antes de pedir abertura de processo contra Novais no Conselho de Ética. O líder do PSOL, Chico Alencar (RJ), afirmou que o partido quer avaliar bem o processo para evitar o que ocorreu com a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), absolvida pelo plenário da Câmara sob a argumentação de que o fato de que era acusada ocorrera antes de ela assumir o mandato.

"Não queremos repetir a farsa que se tornou o processo de Jaqueline Roriz", disse, lembrando que foi o PSOL que pediu a cassação da deputada, flagrada em vídeo recebendo dinheiro do pivô do "mensalão do DF", Durval Barbosa.

Alencar espera que a corregedoria tome providências para apurar as denúncias contra Novais. "É dever da corregedoria apurar", reforçou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

O corregedor da Câmara, Eduardo da Fonte (PP-PE), afirmou que não cabe a ele tomar a iniciativa de abrir processo contra Novais. Segundo ele, a corregedoria atua quando é provocada.

PARA LEMBRAR

Câmara livrou deputada

A Câmara arquivou, no dia 30 de agosto, o pedido de cassação do mandato da deputada Jaqueline Roriz . Em março, o Estado revelou um vídeo gravado em 2006 onde ela aparece recebendo dinheiro de Durval Barbosa, delator do esquema que ficou conhecido como "mensalão do DEM". O argumento usado pela defesa de Jaqueline foi que ela não era parlamentar na época do mensalão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.