Novas buscas por corpo de Eliza Samudio terminam sem sucesso

Bombeiros, policiais civis e peritos foram ao sítio que pertenceu ao goleiro Bruno por causa de uma denúncia anônima que dizia que a ossada da vítima estaria enterrada entre duas palmeiras

Marcelo Portela,

28 Agosto 2012 | 18h23

BELO HORIZONTE - O Corpo de Bombeiros encerrou sem sucesso mais uma busca realizada nesta terçca-feira, 28, para tentar localizar os restos mortais de Eliza Samudio, de 24 anos, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes e desaparecida desde junho de 2010. As buscas foram realizadas no sítio em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte, que pertencia ao atleta. O imóvel, vendido há alguns meses, foi o último local onde Eliza foi vista com vida, mas já havia sido palco de várias outras buscas no período de investigação.

Bombeiros, policiais civis e peritos voltaram ao local por causa de uma denúncia anônima recebida no fim da noite de segunda-feira, 27, informando que a ossada da vítima estaria enterrada entre duas palmeiras. Integrantes do Corpo de Bombeiros chegaram ao local no início da madrugada de ontem, mas não tinham mandado de busca e apreensão e os trabalhos tiveram início apenas de tarde, após o novo proprietário do sítio autorizar a entrada. Uma retroescavadeira chegou a ser levada ao local, mas não foi autorizada a entrar por causa dos danos que poderia causar ao pomar do imóvel.

Segundo a Polícia Civil, não há previsão de retomada dos trabalhos nesta quarta-feira, 29. Um dos responsáveis pelas investigações em torno do desaparecimento da jovem, o chefe do Departamento de Investigação de Homicídio e Proteção à Pessoa (DIHPP), delegado Wagner Pinto, afirmou que considera "bastante remota a probabilidade de encontrar os restos de Eliza nessa localidade". "Mas não podemos descartar nada. Trabalhamos com informações e temos que checar todas", ressaltou.

Atentados. Em entrevista coletiva concedida ontem, o policial também descartou haver uma tentativa de queima de arquivo em sequência dos envolvidos nas investigações em torno do desaparecimento e morte de Eliza. A suspeita surgiu porque, menos de uma semana após o assassinato de Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno que também seria julgado pelo sequestro e morte de Eliza, um ex-motorista do goleiro, Cleiton Gonçalves, de 24, sofreu duas tentativas de homicídio.

A primeira foi no domingo (26), em um bar em Contagem, na região metropolitana da capital, quando rapaz levou um tiro de raspão nas costas. No dia seguinte, ele estava com a namorada em um carro e o veículo foi alvejado, mas ninguém ficou ferido. Segundo Wagner Pinto, o próprio Cleiton, ouvido ontem, confirmou que os atentados estariam relacionados a um assassinato ocorrido em uma churrascaria de Contagem em março. O rapaz era suspeito de envolvimento e chegou a ser investigado, mas não chegou a ser denunciado.

"Ouvimos ele, já identificamos quem atirou e por quais motivos. Não há qualquer ligação entre o caso de Eliza Samudio e a tentativa de homicídio contra o Cleiton", disse o delegado. Com relação à morte de Sales, Pinto disse que não tem mais informações sobre o caso, já que o inquérito, a pedido do Ministério Público Estadual (MPE), foi transferido para a Corregedoria da Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.