Novas evidências contra filho de publicitário assassinado

Um cartucho de calibre 380 disparado pela mesma arma que matou no domingo o publicitário e empresário Luiz Carlos Rugai, de 40 anos, e a mulher dele, Alessandra de Fátima Troitiño, de 33, e o depoimento de uma testemunha são os indícios que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) tem para investigar como principal suspeito do crime o ex-seminarista Gil Greco Rugai, de 20 anos, filho de Rugai. Na sexta-feira, a Justiça decretou a prisão temporária do rapaz, que permanece foragido.O cartucho picotado - isto é, com a marca do disparo - foi encontrado pela perícia técnica num canto do quarto que Gil ocupava na casa da Rua Atibaia, em Perdizes, zona oeste, onde ocorreu o duplo assassinato e onde também funcionava a produtora Referência Filmes. "O tiro deve ter sido acidental, quando o autor manuseava a arma. Encontramos a perfuração do projétil na parede", informou um dos peritos que trabalhou no levantamento. Os peritos informaram que o cartucho do quarto fora disparado muito tempo antes do crime.Numa gaveta do quarto, os investigadores do DHPP encontraram uma nota fiscal da compra de um coldre para pistola calibre 380 em nome de Gil. Havia ainda um certificado de conclusão de curso de tiro. Uma pesquisa está sendo feita pela polícia em lojas de armas para saber se Gil comprou uma pistola 380. As investigações correm em segredo de Justiça.O outro ponto contra o rapaz é o depoimento de uma testemunha, que disse tê-lo visto sair da casa, pelo portão dos fundos, na noite de domingo, logo após os tiros. Gil estava acompanhado de um homem branco. A testemunha, cuja identidade está sendo preservada pela polícia, disse conhecer "muito bem o rapaz" e contou que os dois saíram apressados.O DHPP também ouviu um amigo de Rugai. Dias antes do assassinato, o publicitário contou a ele a discussão que tivera com o filho por causa de um desfalque de R$ 100 mil. Afirmou também que estava assustado. "Gil disse que vai fazer uma coisa muito ruim para mim", teria confidenciado o empresário.Intimado quatro vezes, Gil prometeu se apresentar e não o fez. Policiais procuraram Gil neste sábado em vários endereços, mas não o encontraram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.