Novas pistas fazem investigação avançar em Unaí

A Polícia Federal descobriu uma pista no local onde foram mortos os três auditores fiscais e o motorista do Ministério do Trabalho, que pode levar a um dos pistoleiros. Uma das balas encontradas no local pode ser da mesma arma usada em um outro crime de pistolagem, ocorrido na região, cujo autor já foi identificado. Além disso, a PF já sabe que não foram dois, mas três os matadores e que eles seriam de Minas Gerais. "A curto prazo teremos um bom resultado das investigações", afirmou um integrante da força-tarefa encarregada pela apuração do caso.A PF não descarta também a hipótese de assalto, já que há seis meses está apurando a existência de seis quadrilhas de assaltantes de banco que roubam caminhonetes para futuros assaltos. Os fiscais estavam em um veículo cuja marca é uma das mais visadas pelo criminosos. Ao anunciar o assalto, segundo avaliação dos investigadores, os bandidos podem ter visto os coletes dos fiscais que estavam dobrados, mas a palavra "Federal" aparecia visivelmente. Por isso, teriam sido assassinados.A tese de execução, porém, é mais forte do que a de assalto. A PF conseguiu ouvir testemunhas que confirmaram que no crime foram usados um Fiat Strada, um Monza e um Marea, que estavam em três estradas, mas depois se uniram após os assassinatos. Os criminosos não abandonaram os carros justamente por causa da repercussão do caso. "Encontrar os veículos seria de grande importância na investigação", diz um membro da força-tarefa, formada pelas Polícia Federal, Civil e Militar e Ministérios Público Federal e de Minas Gerais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.