Novas pistas ligam quadrilha a caso Celso Daniel

O polícia fecha cada vez mais o cerco na busca de provas contra a quadrilha suspeita de terseqüestrado e assassinado o prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT). O Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado (Deic) ouviu das namoradas de dois suspeitos, ItamarMessias Silva dos Santos e Rodolfo Rodrigo dos Santos Oliveira, o Bozinho, que os dois afirmaram terem feito o seqüestro doprefeito e que iam fugir.Para completar, o Instituto de Identificação RicardoGumblenton Daunt (IIRGD) analisou as digitais encontradas naPajero do empresário Sérgio Gomes da Silva - em que Celso Danielestava na hora do seqüestro - e confirmou que três delas são deItamar.Na noite de sexta-feira, em diversas diligências, ospoliciais da equipe do delegado Edson De Santi, do Deic,conseguiram uma foto de Bozinho - a única do bando que faltava - além de outra mais recente do suposto chefe da quadrilha, IvanRodrigues da Silva, o Monstro, fugitivo da Penitenciária deSorocaba desde novembro de 1999.Além de Itamar, Monstro e Bozinho, a polícia procuraJuscelino da Costa Barros, o Cara de Gato, e Mauro Sérgio Santosde Souza, o Serginho. O irmão de Bozinho, Andrelison dos SantosOliveira, o André Cara Seca, que também integra o bando, foipreso na terça-feira pela Polícia Federal, na Bahia. Ele tambémindicou o irmão como um dos que participaram do crime.Fotos - Ontem a Secretaria da Segurança Pública divulgouas fotos do circuito interno de TV do restaurante Rubayat, ondeo prefeito jantou antes de ser seqüestrado, dia 18 de janeiro.As imagens - pouco nítidas - indicam que Celso Daniel usava umacalça clara semelhante à que vestia quando foi encontrado morto,dois dias depois, numa estrada de terra, em Juquitiba, na GrandeSão Paulo.A prova coloca um ponto final na discussão sobre a roupausada pelo prefeito. Silva disse à polícia que Celso Danielvestia uma calça bege. Os peritos do Instituto de Criminalística(IC) voltaram ao restaurante e colocaram a calça que o prefeitousava quando foi localizado no mesmo local em que ele foifilmado, próximo de um bufê.O IC não pode afirmar se a calça era a mesma, pois nãofoi possível uma análise detalhada da peça filmada norestaurante. O laudo dos peritos concluiu que a calça é"semelhante".Durante a próxima semana, a Secretaria da Segurança vaidivulgar os 23 laudos feitos pelo IC. Entre eles, está o que vaiapontar que a tinta encontrada na Pajero possui compatibilidadecom a Blazer verde apreendida. Os bandidos utilizaram o carropara bater na Pajero e obrigar Silva a parar o carro.O IC ainda não concluiu todos os laudos. Faltam o dareconstituição do crime e dos exames microquímicos em porções deterra que podem provar que Celso Daniel foi levado para umcativeiro na Favela Pantanal, na zona sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.