Nove pessoas são presas em operação contra milícia na zona oeste do Rio

Milícia, conhecida como Liga da Justiça, é considera uma das mais perigosas do Rio

Tiago Rogero, estadão.com.br

01 Setembro 2011 | 08h42

RIO - Policiais da Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado (Draco) realizam uma operação na manhã desta quinta-feira, 1°, em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado, para desarticular a quadrilha de milicianos conhecia como Liga da Justiça, que atua na zona oeste do Rio. O objetivo é cumprir 18 mandados de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão. Até as 10h, nove pessoas já tinham sido presas e os agentes apreenderam um carro, uma pistola calibre 380 e R$ 45 mil em espécie e cheques

 

Também participam da ação integrantes da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança e da Corregedoria Geral Unificada (CGU). Ao todo, são cerca de 150 policiais. Segundo a secretaria, a operação visa prender os atuais e principais integrantes da milícia.

 

Entre as atividades do grupo, exploração de transporte alternativo de passageiros (vans e mototáxis) e jogos de azar; assim como venda de água e botijões de gás a preços superfaturados. Os milicianos também cobram taxas de segurança dos moradores e fazem distribuição ilegal de sinais de transmissão de canais de televisão e internet, popularmente conhecidos como "gatonet" e "gatovelox".

 

O grupo atua principalmente em Campo Grande, Cosmos, Inhoaíba, Santíssimo, Paciência e Sepetiba, todos na zona oeste. Os crimes cometidos por eles vão de homicídios qualificados a extorsões.

A chamada Liga da Justiça é descrita pela própria secretaria como "uma das mais perigosas milícias da cidade do Rio de Janeiro, tendo sido seus criadores os ex-parlamentares Natalino Guimarães e Jerônimo Guimarães, o Jerominho, ambos presos pela Draco"./COLABOROU PRISCILA TRINDADE

 

 

Atualizada às 10h

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.