"Novo" Bangu 1 começa a funcionar em 60 dias, anuncia secretário

Sessenta dias foi o prazo dado nesta segunda-feira pelo secretário de Administração Penitenciária do Rio, Astério Pereira dos Santos, para que o presídio Bangu 1 volte a funcionar como uma unidade de segurança máxima. Parcialmente destruído em uma rebelião liderada pelo traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, em setembro do ano passado, quando quatro presos foram assassinados, o presídio está sendo equipado com portas automáticas, câmeras de vigilância e bloqueadores de celular, que serão instalados também nas outras unidades do complexo penitenciário. Além disso, os advogados não terão contato direto com os presos. ?O sistema penitenciário não é mais o ?escritório do crime organizado? (definição do Ministério Público do Rio). Os líderes do crime não comandam a partir da cadeia?, afirmou Astério, que comemorou o fato de sua administração ter sido citada pelo New York Times. Segundo o secretário, em quatro meses estará pronto o alambrado que cercará o complexo de presídios de Bangu e sua entrada única, que pode ficar sob responsabilidade da Polícia Federal. Astério informou também que sete novas unidades prisionais estão sendo construídas. São três penitenciárias, dois presídios, um hospital e um manicômio judiciário espalhados pelo Norte Fluminense, Região dos Lagos, Baixada Fluminense e Bangu, na zona oeste do Rio.

Agencia Estado,

09 Junho 2003 | 19h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.