Novo blecaute apaga Florianópolis

Um novo blecauteontem, que durou quatro horas, atingiu Florianópolis pouco mais de um diadepois que os 300 mil moradores da Ilha de SantaCatarina tinham começado a respirar aliviados com o retorno do fornecimentode energia, interrompido em torno das 13 horas daúltima quarta-feira. O problema voltou a atrapalhar a vida da populaçãopouco depois das 19 horas. Ventos de 80 km/h aproximaram muito os três cabos quecompõem a linha de transmissão instaladaprovisoriamente em paralelo à ponte Pedro Ivo Campos. Essa aproximaçãocausou uma descarga elétrica entre eles e o novoblecaute.Como não houve qualquer dano à linha, equipes da Centrais Elétricas deSanta Catarina (Celesc) esperaram os ventos seacalmarem e religaram o sistema às 23 horas. Hoje, as equipes trabalharão ao longo da linha das 6 às 9 horas damanhã, instalando afastadores entre os cabos, períodoem que mais uma vez faltará energia na Ilha. "Como toda a população,compreendi e aceitei o primeiro blecaute, mas essesegundo é inadmissível e mostra que estamos nas mãos de pessoasincompetentes", ataca o empresário Tarcísio Mattos,morador do Centro. Para a estudante de Medicina Ana Vieira, que também morana região central, o novo episódio é um atestadode incompetência para a Celesc: "Não é possível que nenhum técnico tenhapensado na possibilidade de aproximação dessescabos, numa cidade onde os ventos fortes são uma constante". Em entrevista a uma rádio da cidade, a ministra das Minas eEnergia, Dilma Roussef, disse que, com esse segundo evento, a preocupaçãodo Ministério cresceu muito, mas que não émomento de cobrar responsabilidades, embora tenha deixado claro que a linhaafetada pelo acidente de quarta-feira, de 138 milvolts, seja de responsabilidade da Celesc. Ela acredita que a questão da multa tem que ser vista pela Aneel (Agência Nacional deEnergia Elétrica) em outro momento. "As distribuidoras são analisadas sob dois critérios: quantidade de vezes que ocorre umdesligamento e a rapidez com que a ligação é retomada, e são essas questõesque a Aneel vai analisar."Em coletiva convocada às pressas na noite deontem, o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) disse não temer asanálises do caso pela Aneel, porque, segundo ele, ogoverno não cometeu nenhuma infração: "Não é possível que, num momentodesses, a Aneel queira penalizar a Celesc commulta cujo valor poderia ser utilizado para solucionar o problema de vez,já que hoje a capital de Santa Catarina vive à mercê deuma única linha de transmissão." Luiz Henrique lamentou que ventos de 120km/h tivessem levado ao extremo a linha provisória epossibilitado um novo blecaute, mas as informações do Aeroporto HercílioLuz eram de que os ventos não tinham passado dos 80km/h.A prefeita da cidade, Angela Amin (PP), lamentou o novo episódio econfirmou que o estado de emergência está mantido."Essa medida é de suma importância para agilizar as ações e fazer ascontratações necessárias."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.