Novo prefeito de Santo André defende prisão perpétua

Ao comentar as propostas para a área de segurança pública apresentadas ontem pelo governador Geraldo Alckmin ao presidente Fernando Henrique Cardoso, o recém-empossado prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), defendeu hoje medidas de maior impacto, entre as quais a instituição da pena de prisão perpétua. "Tem de haver prisão perpétua no Brasil. Hoje, há condenados por 30 anos de prisão que cometeram crimes graves e que, após cumprirem 10 anos, estão soltos", disse.Em entrevista coletiva concedida no início da tarde de hoje, Avamileno citou um trecho de uma música de Raul Seixas para exemplificar como se sente tendo que assumir o governo municipal de Santo André após a morte de Celso Daniel. "Estou como aquela música que diz: ?Mamãe não quero ser prefeito, pode ser que eu seja eleito e alguém pode querer me assassinar?", comentou. Ele disse que, como todo político, sempre quis obter um cargo eletivo, mas ressaltou que ?nunca dessa maneira, com a morte de um companheiro". "Me sinto como as outras vezes em que assumi o cargo na ausência do Celso Daniel. Manterei o sistema planejado. Para mim, ele continua sendo o prefeito", completou.O novo prefeito informou ainda que ampliará seu sistema pessoal de segurança, mas não revelou detalhes. "É lógico que estou assustado, como toda a população do ABC, de São Paulo e do Brasil. O que aconteceu com o Celso é o que está acontecendo com todos os brasileiros", afirmou. Ele disse, no entanto, que caberá aos governos federal e estadual ampliar a capacidade das polícias civil e militar para conter a escalada da violência. "Em Santo André, continuaremos investindo no sistema de segurança municipal para combater o crime", disse, sem prever um aumento de receita para a pasta.Além disso, Avamileno informou que, assim como ele, os secretários municipais de Santo André que quiserem ampliar seu aparato de segurança terão de buscar um sistema próprio. "A segurança pública tem de ser destinada a toda população e não apenas ao governo. Quem quiser aumentar sua segurança terá de realizar com custo próprio, a não ser que ocorra um caso específico de ameaça e, como qualquer cidadão, pediremos suporte das polícias", explicou.O prefeito evitou acusar o Estado de São Paulo de omissão nas ameaças recebidas por 37 prefeitos petistas, mas ressaltou que "até o momento nada foi feito e as investigações não avançaram", manifestou. De qualquer maneira, o novo prefeito se disse esperançoso sobre a reunião que os líderes petistas José Dirceu e Luiz Inácio Lula da Silva manterão hoje com FHC. "Acredito que alguma coisa mudará depois do encontro de hoje. Como todo bom petista, continuo tendo esperança".Avamileno disse que ainda não teve nenhum contato com o empresário Sérgio Gomes, principal testemunha do seqüestro de Celso Daniel. O secretário de Governo de Santo André, Mário Maurici de Lima Moraes, disse após a declaração do prefeito que Sérgio Gomes não era funcionário da prefeitura e, por isso, o governo municipal não vai se pronunciar sobre nada em relação ao empresário.Avamileno contesta rumo das investigações A decisão da Polícia Civil de São Paulo de conceder as investigações sobre o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, para o Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), com a mesma equipe que investiga o assassinato do prefeito de Campinas, Toninho do PT, ocorrido em novembro do ano passado, não agradou o novo prefeito de Santo André."Acho ruim que essa equipe comande as investigações porque até o momento eles não descobriram nada sobre o assassinato do Toninho. Nesse mesmo rumo o assassinato do Celso não será investigado", afirmou.Avamileno justificou hoje a escalada de violência no grande ABC, onde os casos de seqüestro e furto de veículos dispararam nos últimos anos, ao poder aquisitivo da região. "O grande ABC é o terceiro mercado consumidor do Brasil. É uma região rica, os salários são bons e as empresas instaladas aqui são de grande porte. Isso, evidentemente, atrai os bandidos", justificou, reiterando a necessidade do governo estadual expandir o policiamento da região.Em sua primeira entrevista coletiva como prefeito, o petista afirmou que solicitará ao presidente de honra do seu partido, Luiz Inácio Lula da Silva, que permita que Gilberto Carvalho permaneça na prefeitura de Santo André, em vez de se tornar articulador da campanha presidencial de Lula. "Vou pedir ao Lula que Gilberto permaneça, mas sei que, se ele não puder contribuir apenas para Santo André, poderá ajudar o partido na eleição deste ano", sustentou.Na avaliação de Avamileno, a questão de segurança pública será o principal destaque da campanha eleitoral deste ano. "A questão social, como também a falta de emprego, será analisada também no conjunto de ações de combate à violência", opinou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.