Novo presidente da Febem assume e promete mudanças

Emocionado, o novo presidente da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem), Paulo Sérgio de Oliveira e Costa, tomou posse nesta quinta-feira. Reconhecendo que há muito a ser feito para que a instituição funcione conforme manda a lei, ele voltou a dizer que vai incentivar parcerias, apoiar famílias e ex-internos, articular o sistema de liberdade assistida e propor a criação de um centro de formação profissionalizante.Durante o discurso - quando tinha os olhos cheios de lágrimas, ao agradecer o apoio de amigos e lembrar que, há exatos 17 anos, tomava posse como promotor de Justiça - ainda prometeu manter um fórum permanente com juízes, promotores, empresas, religiosos, ONGs, funcionários e prefeituras. "Não se pode aceitar o argumento odioso de que o jovem não tem recuperação", declarou o presidente, que substituiu a pedagoga Maria Luiza Granado.Nesta quinta-feira, na entrega do cargo, ela disse que assumiu a Febem com um histórico de "fracassos e frustrações", mas conseguiu acelerar a descentralização das unidades e a capacitação e plano de carreira dos funcionários.Já o secretário da Educação, Gabriel Chalita, citou Aristóteles para destacar que os seres humanos não nascem maus, lembrou que os jovens são os maiores agentes e vítimas da violência e disse ser um prazer trabalhar na Febem.Ele reafirmou o compromisso de fechar as unidades 30 e 31 de Franco da Rocha - as mais problemáticas -, interromper a reforma prevista e investir no regime de liberdade assistida. "A determinação do governador Geraldo Alckmin é de que não pode faltar recurso para a Febem. Ele quer solução e isso é questão de vontade política e responsabilidade social."O secretário também prometeu achar solução para os internos de Franco da Rocha, que passam a maior parte do dia trancados, sem fazer nada.Nesta quarta-feira, adolescentes da unidade 31 queimaram colchões para reclamar da "tranca". A Febem chegou a chamar reforços, mas Chalita afirma que os monitores conseguiram acalmar os garotos conversando.Nesta quiunta-feira, a unidade foi novamente palco de tumulto. A passagem de um helicóptero teria agitado os menores, que bateram nas grades com pedaços de um poste metálico da rede de vôlei. A Tropa de Choque da PM chegou a ser acionada. "A situação está tensa em Franco da Rocha e só será resolvida quando o governo desativar o complexo, espalhando os internos por pequenas unidades", disse o promotor Willian Tafner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.