REUTERS/JPavani
REUTERS/JPavani

Novo princípio de tumulto é registrado em presídio de Roraima

Detentos quebraram cadeados das celas e ficaram soltos nos corredores das alas; polícia disse que presos foram contidos

Cyneida Correia, Especial para O Estado

09 Janeiro 2017 | 20h06

Detentos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima, onde aconteceram 33 mortes na última sexta-feira, 6, começaram novo princípio de tumulto na unidade prisional.

Eles quebraram os cadeados das celas e ficaram soltos nos corredores das alas do presídio que abriga cerca de 1.400 detentos, o dobro da capacidade.

A polícia informou que não houve tentativa de fuga e disse que os presos foram colocados de volta nas celas, mas não explicou quantos cadeados estão quebrados e como as celas ficarão fechadas.

Os agentes penitenciários afirmaram que os detentos da Penitenciaria Agrícola quebram os cadeados de forma constante e nos últimos dois anos já foram registrados mais de sete casos onde eles quebram cadeados, energizam as grades e fogem do presídio.

No último registro, em setembro de 2016, eles quebraram 200 cadeados e queimaram colchões após o esfaqueamento e morte de um preso ligado à facção Família do Norte (FDN).

As unidades da Polícia Militar e o  Grupo de Intervenção Tática da Secretaria Estadual de Justiça e da Cidadania foram ao local para fazer o policiamento do presídio.

Mais conteúdo sobre:
Roraima Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.