Andre Minatowicz
Andre Minatowicz

Novos documentos reforçam elo entre coronel e argentino

Uruguaio Juvenal Lucas Velazco consta das empresas de fachada criadas para viabilizar[br]funcionamento da MTA

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 00h00

Documentos obtidos pelo Estado mostram mais detalhes das ligações entre o diretor de Operações dos Correios, coronel Eduardo Artur Rodrigues, as empresas do argentino Alfonso Rey no exterior e de seus "laranjas". O Estado revelou ontem que o coronel Artur, que assumiu a direção dos Correios em agosto, é testa de ferro do empresário argentino na Master Top Linhas Aéreas (MTA), já que a lei brasileira proíbe que estrangeiros tenham mais de 20% do capital de empresas do setor.

Desde sua criação em 2005 até agosto, a MTA era dirigida no Brasil pelo atual diretor de Operações dos Correios, que colocou os ex-sogros da filha, Anna Rosa Pepe Blanco Craddock e Jorge Augusto Dale Craddock, como donos "laranjas" do negócio. A ambição do argentino e do coronel Artur é que a MTA seja o embrião da nova empresa de logística dos Correios, ainda a ser criada, cujo investimento é avaliado em US$ 400 milhões.

Um novo personagem reforça a ligação entre Alfonso Rey, que vive em Miami, e o coronel Artur. É o uruguaio Juvenal Lucas Velazco, que vive no interior de São Paulo. Seu nome está nas empresas de fachada criadas no Uruguai e em Campinas para viabilizar o funcionamento do MTA, dirigida informalmente hoje pelo peruano Orestes Romero. Juvenal também foi procurador no Brasil da empresa aérea Cielos Del Peru S/A, braço do grupo norte-americano Centurion, pertencente ao empresário argentino Alfonso Rey. O coronel Artur já recebeu de Juvenal poderes para representar a Cielos no País.

Os papéis mostram que as empresas do argentino bancam a MTA no Brasil por meio de empresas, algumas de fachada, no Uruguai, em Miami e em Campinas. A título de "empréstimo", por exemplo, a Cielos remete recursos para a MTA por meio do Banco Central, segundo documentos obtidos pela reportagem. Em 2007 foram R$ 400 mil.

Ontem, o Estado mostrou que uma empresa de fachada chamada Viameral, com sede em Montevidéu, remeteu à MTA, também como "empréstimo", mais de R$ 4 milhões do Uruguai para o Brasil. Metade disso foi no mês passado, quando o coronel Artur assumiu a direção de Operações dos Correios.

Em Montevidéu, a Viameral fica no mesmo endereço das companhias do grupo Centurion, de Alfonso Rey, que alugam os aviões para a MTA funcionar no Brasil, conforme comprovam os contratos de leasing aéreo, fechados no Uruguai e nos EUA, obtidos pela reportagem.

Ou seja, o argentino fornece os aviões e, ao mesmo tempo, empresta dinheiro à empresa brasileira, que já abocanhou R$ 60 milhões em contratos com os Correios para transporte de carga. O nome do uruguaio Juvenal, que hoje está afastado dos negócios do grupo, também aparece nos papéis da Viameral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.