Novos sensores chegaram à Air France 3 dias antes do acidente

Diretor-geral da empresa diz não estar 'convencido' de que sensores são a causa da queda do Voo 447

Efe,

11 de junho de 2009 | 07h54

Os novos sensores de velocidade com os quais a companhia aérea francesa Air France deve equipar seus aviões A330 chegaram à companhia três dias antes do acidente com o voo entre Rio de Janeiro e Paris, afirmou nesta quinta-feira, 11, o diretor-geral da empresa, Pierre-Henri Gourgeon.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

videoSubmarino francês no resgate à caixa-preta

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

"O que aconteceu é que as primeiras cargas (dos sensores) chegaram quase na véspera do acidente, na sexta-feira", afirmou Gourgeon, em um encontro com a imprensa especializada no qual disse que não está "convencido" de que esses sensores foram a causa da catástrofe.

 

O responsável da companhia aérea disse que, em 27 de abril, decidiram substituir os sensores de velocidade diante das falhas detectadas no passado, "incidentes de caráter não catastrófico".

 

No entanto, indicou que, no acidente do dia 1º, "houve um problema com a velocidade do avião", por isso a Air France decidiu acelerar o processo de substituição, e para isso foram encomendados cerca de 100 sensores.

 

Indicou que os 35 aviões A330 e A340 da Air France terão no final desta semana pelo menos dois dos novos sensores de velocidade, dos três com os quais está equipado o aparelho.

 

Gourgeon disse que a investigação oficial que deve determinar a causa do acidente, e reiterou que não tem certeza de que esta provenha dos sensores de velocidade.

 

O diretor-geral da Air France lembrou que o fabricante Airbus assegura que os aviões são seguros no estado atual, afirmação confirmada pela autoridade europeia no assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.