Núcleo do Projeto Pomar será ampliado em 50%

Desde sua inauguração, em abril doano passado, o Núcleo de Educação Ambiental do Projeto Pomar, naMarginal do Pinheiros, na cidade de São paulo, recebe diariamente 160 estudantes. Onúmero é alto, mas, por causa da limitação de espaço na sede,não vem sendo possível atender todos os colégios que solicitam avisita.Pensando nisso, a coordenação do Pomar buscou acolaboração da Escola Politécnica da USP para desenvolver umprojeto de obras de ampliação do núcleo, que seguirá critériosde sustentabilidade, reduzindo o impacto ambiental. A ampliaçãodeverá possibilitar um aumento de 50% na capacidade deatendimento."Queremos mostrar a importância educativa de um consumoresponsável, alertando o consumidor que a construção civil temum impacto enorme que pode ser reduzido", explica VanderleyJohn, professor do departamento de Engenharia de ConstruçãoCivil da Poli. Para entender a dimensão dessa agressão aoambiente, basta citar que a construção civil é responsável peloconsumo de cerca de 50% dos recursos naturais extraídos.Por isso, estão sendo estudados no projeto variedadescomerciais de cimento de menor impacto ambiental, madeiras dereflorestamento e até blocos confeccionados com resíduos deconstrução e demolição reciclados.Segundo o Programa Nacionalde Conservação de Energia Elétrica (Procel), os edifíciosconsumiram em 2000 aproximadamente 47% da energia elétricabrasileira. "Para a ampliação do núcleo, a idéia é utilizaraquecedores solares, lâmpadas de alta eficiência e explorarmelhor a iluminação natural para economizar energia", afirma oprofessor da Poli.O Projeto Pomar, uma iniciativa do Jornal da Tardeem parceria com empresas privadas e as secretarias Estadual eMunicipal do Meio Ambiente, conta hoje também com o apoio de 18empresas na manutenção das margens do Rio Pinheiros. No programade ampliação da sede, uma equipe de 20 pessoas da EscolaPolitécnica, entre professores e alunos, está trabalhando noprojeto em conjunto com a Equipe Técnica do Projeto Pomar."A intenção é incorporar uma variedade de técnicas eprodutos disponíveis no mercado brasileiro, e que tem eficiênciacomprovada na redução do impacto ambiental da construção e namelhoria da qualidade vida dos usuários", diz o professor.Modernos equipamentos para uso racional da água,como bacias de baixo consumo e torneiras com aeradores, deverãoser incorporados ao projeto. É previsto também o uso deequipamentos para reaproveitar a água de chuvas, que, assim comoa água do Rio Pinheiros, passará por processo de flotação e seráutilizada na irrigação da vegetação."O projeto incorporará dispositivos de educaçãoambiental, permitindo que os princípios de sustentabilidadeempregados no projeto, construção e operação dos edifícios sejamexplorados dentro do programa de educação ambiental", revela aarquiteta da equipe técnica do Pomar, Ana Lúcia de Faria. Destaforma, espera-se conscientizar anualmente cerca que 40 milpessoas, especialmente jovens estudantes.No momento, a equipe do projeto está aberta ao apoio deempresas que possam fornecer técnicas e materiais de menorimpacto ambiental. Os interessados podem entrar em contato pelotelefone (0xx11) 3030-6039.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.