Número de desabrigados na Paraíba sobe para 4 mil

O coodenador da Defesa Civil da Paraíba, coronel Álvaro Vitorino de Pontes, disse, hoje, que já são 4 mil os desabrigados nos municípios de Alagoa Grande e Mulungu (PB), por conta do rompimento da barragem de Camará, no município de Alagoa Nova (a 140 quilômetros de João Pessoa), na noite da última quinta-feira. Segundo o coronel há em cerca de 20 pessoas desaparecidas. O Corpo de Bombeiros da cidade de Guarabira informou que duas equipes de resgate passaram toda a manhã de procurando corpos das pessoas que foram levadas pelo grande volume de água do rio Mamanguape. Até às 12h, o número de mortos continuava inalterado: três identificados e três sem identificação. PânicoO rompimento da barragem de Camará, localizada sobre o rio Mamanguape, causou, além das mortes, pânico e destruição nas cidades de Alagoa Grande e Mulungu. A barragem tinha capacidade para 27 milhões de metros cúbicos de água e estava com quase 65% de sua capacidade. Ainda não há dados sobre o que realmente provocou o rompimento. Em nota encaminhada aos jornais de João Pessoa, as empresas responsáveis pela construção da obra - Andrade Galvão Engenharia Ltda e CRE Engenharia Ltda - sugerem a realização de uma inspeção na obra, por empresa especializada e de fora da Paraíba, para detectar, de forma isenta, os motivos do rompimento da barragem. Segundo a Defesa Civil, há pelo menos 3 mil desabrigados em Alagoa Grande e mais de mil em Mulungu. Ontem, os primeiros levantamentos apontavam 1,6 mil desabrigados nas duas cidades. Faltam alimentos, água, luz e telefoneOs desabrigados começaram a receber, hoje, alimentos enviados pelo governo federal, através de Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O cenário de destruição continua. As duas cidades estão sem água, luz, e telefone e as pessoas tentavam recolher pertences no meio dos destroços e do lamaçal. O nível do rio Mamanguape diminuiu, mas há previsão de chuvas para a região no domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.