Número de homicídios no Estado do Rio é o menor desde 2000

Dados da Secretaria de Segurança Pública divulgados hoje mostram que o índice de homicídios no estado do Rio referente a março e fevereiro deste ano é o menor desde fevereiro do ano 2000, apesar da sensação de recrudescimento da violência. Nos dois meses, a taxa foi de 3,5 por cem milhabitantes. A comparação entre os números de março de 2004 e 2003 revelou que houve redução no volume de oito dos dez tipos de crimeselecionados pela secretaria. As maiores quedas foram verificadas nos roubos em coletivo (redução de 42,3%) e a bancos (menos 37,5%). Também caíram os homicídios dolosos (redução de 13,7%); roubos a transeunte (menos 0,5%); roubos e furtos de veículo(menos 5,9%); roubos a estabelecimento comercial (menos 14,8%) e roubos a residência (menos 1,2%). Os registros de mortes de bandidos em confronto com a polícia (os chamados autos de resistência) diminuíram em março deste ano: foram 81 casos, ante 113 em março do ano passado. Os latrocínios subiram pouco: passaram de 16, em março de 2003, para 17, em 2004. Casos de extorsão mediante seqüestronão foram registrados este ano nem no ano passado.Queda ? O professor Gláucio Soares, estudioso da violência urbana e professor do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), confirmou que a taxa de homicídios está em queda no estado e que ela deve continuar diminuindo daqui para frente. Soares acredita, no entanto, que o fato de os homicídios de março deste ano terem sido menores do que no mesmo mês do anopassado pode se dever à ocorrência do carnaval, que este ano foi celebrado em fevereiro ? em 2003, foi em março. ?No carnaval, assim como nos fins-de-semana, os números de homicídio são maiores?, explicou.O professor disse ainda que os únicos três crimes em que a subnotificação não é significativa são os homicídios, latrocínios e roubos e furtos de veículos. ?No resto, não temos como saber se um aumento significa mais casos ou maior número de registros.Pequenos furtos ninguém registra.? Combate ? Ana Paula Mendes de Miranda, coordenadora do Núcleo de Pesquisa em JustiçaCriminal e Segurança Pública (Nupesp), órgão da secretaria que monitora os dados estatísticos da criminalidade no Rio, disse que março foi o quarto mês consecutivo em que houve melhora dos resultados na maioria dos dez delitos. Ela explicou que, de posse dos números, a polícia vai definir a melhor estratégia de combater os crimes nas diferentes regiões do estado.Ana Paula informou também que os pesquisadores vêm percebendo que os casos ocorridos na capital se concentraram maisnas zonas norte e oeste. ?No verão, há um direcionamento maior do policiamento para a zona sul e os bandidos migram para outros lugares?, justitificou. Ela afirmou que 864 modalidades criminosas são estudadas, mas somente os mais violentos e que carecem de intervençãomais direta da polícia são monitorados permanentemente. E lembrou que a Secretaria de Segurança do Rio é a única no Brasil que faz este trabalho.

Agencia Estado,

20 de abril de 2004 | 18h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.