Número de mortes e acidentes caem 18% nas estradas federais no fim de ano

Balanço da Polícia Rodoviária aponta quase 100 mortes a menos; acidentes caíram 16%

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2012 | 16h37

BRASÍLIA - Balanço do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF) divulgado na tarde desta terça-feira, 3, informa queda no número de acidentes e mortes nas estradas federais no último período de festas de final de ano, em comparação aos dados de um ano atrás. De acordo com o balanço, 460 pessoas morreram nas estradas durante o último período de festas de Natal e de réveillon, ou seja, 18% menos que as 556 mortes registradas um ano antes.

O número de feridos nas estradas neste último período de festas foi de 6.140, 16% menos que os 7.272 feridos do período anterior. O número de acidentes caiu 10%, de 11.643 para 10.536. A análise considera os números registrados no período entre 16 de dezembro de 2011 e 2 de janeiro deste ano, em comparação com o que foi apurado entre 17 de dezembro de 2009 até 3 de janeiro de 2010.

Exclusivamente no último período de réveillon, na virada de 2010 para 2011, ocorreram 2.364 acidentes nas estradas federais, 10% menos que em igual período de um ano antes, quando 2.615 veículos se envolveram em acidentes. Durante o período de réveillon deste ano foi registrada uma redução de 44% no número de mortes em relação ao ano passado.

É a maior queda registrada na história da DPRF. Foram 75 mortes nesta última virada de ano, ante 134 em igual do período do ano passado. O DPRF apontou, ainda, que foram 1.524 feridos no réveillon deste ano, o que representa queda de 15% ante os 1.799 feridos do período anterior.

Fiscalização. O coordenador geral de operação da DPRF, Giovanni di Mambro, atribui essa queda expressiva no número de acidentes, mortes e feridos nas estradas a uma forma reforçada de fiscalização realizada nos trechos mais perigosos das rodovias.

A Polícia Rodoviária Federal, nessa operação, intensificou a fiscalização em 60 trechos, equivalentes a 600 quilômetros, onde tradicionalmente ocorrem 8% dos acidentes do País. As partes mais críticas estavam nas áreas metropolitanas onde, de acordo com Mambro, há uma oferta maior de bebidas alcoólicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.