REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Número de mortos em Brumadinho chega a 142; há 194 desaparecidos

Barragem da Mina Córrego do Feijão se rompeu no dia 25 de janeiro

Redação, O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2019 | 20h47

O número de mortos após rompimento da barragem em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, chegou a 142 nesta terça-feira, 5, segundo informações divulgadas pela Defesa Civil mineira. Há 194 desaparecidos. 

A barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, se rompeu no dia 25 de janeiro. Os rejeitos da barragem atingiram a parte administrativa da mineradora Vale, uma pousada e uma comunidade próxima da mina. Desde a sexta-feira, bombeiros buscam desaparecidos na região. 

De acordo com a Defesa Civil, dos 142 corpos encontrados 122 já foram identificados. Outros 20 permanecem sem identificação. Há ainda 194 pessoas desaparecidas e 103 desabrigadas. 

Imagens divulgadas na última sexta-feira, 1º, revelam o exato momento em que se rompeu a barragem  em Brumadinho. A gravação mostra o dique principal se destruindo e uma onda de lama avançando sobre o terreno com grande velocidade e força. 

Limite de segurança

O relatório da consultoria alemã Tüv Süd, que atestou a estabilidade da barragem  mostra que a base da estrutura estava no limite de segurança previsto pelas normas do País. Em visita a campo, a equipe encontrou 15 pontos que exigiriam atenção, como necessidade de um novo radar e medidores de pressão na estrutura. A Vale disse que fazia inspeções constantes - a última em 22 de janeiro, três dias antes do colapso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.