Número de mortos sobe para 39 em Angra; chuva continua

O número de vítimas fatais do temporal que atingiu Angra dos Reis no fim de semana subiu para 39. Na manhã desta quinta-feira morreu Mário Coutinho, de 45 anos. Ele estava internado em estado grave na Santa Casa de Angra dos Reis desde domingo, quando sua casa, no bairro de Areal, foi invadida pela lama.O meteorologista Almerindo Marinho, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet-RJ), disse que, apesar de ter chovido durante toda a madrugada, o índice pluviométrico foi baixo ? 28 milímetros. A chuva foi provocada por uma nova frente fria que chegou ao Sudeste e permanece até o fim de semana. Há previsão de voltar a chover nesta sexta-feira.Nesta quinta-feira voltou a chover em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro e na Região Serrana, mas a Defesa Civil não registrou nenhuma ocorrência considerada grave. Segundo a Prefeitura de Angra dos Reis, o número de desalojados caiu de 1.508 para 1.394. Duzentos desabrigados serão transferidos de alojamento.Eles estavam temporariamente em quadras de um condomínio e passarão a ocupar escolas, onde há salas e refeitórios. Ao todo, 150 casas foram destruídas ou parcialmente derrubadas e outras 150 estão condenadas. O número de bombeiros na região foi reduzido de 150 para 80.?Estamos trabalhando apenas para administrar os abrigos e fazendo o acompanhamento das áreas de risco. A região foi muito castigada e qualquer chuva preocupa?, afirmou o relações públicas da Defesa Civil Estadual, coronel Jorge Lopes. A Eletronuclear informou que não há risco ?imediato? de deslizamento de encostas próximas às usinas de Angra 1 e Angra 2.Segundo a assessoria de imprensa da estatal, desde outubro a empresa Tecnosonda faz o trabalho de contenção de encosta. O coronel Jorge Lopes confirmou que não há risco de deslizamento na região.No Rio, a chuva que atingiu a cidade durante toda a madrugada provocou 23 deslizamentos de barreira, além de quedas de muro, rolamento de pedras e alagamento em alguns bairros. Trinta casas foram interditadas no bairro de Cavalcante. Elas foram erguidas num loteamento irregular, próximo a uma encosta. Há risco de deslizamento de rochas.Também houve queda de barreiras em cinco pontos da cidade de Teresópolis. Ninguém ficou ferido. Em Petrópolis, duas casas foram interditadas na madrugada desta quinta-feira, preventivamente. Elas estão em áreas de risco, mas não chegaram a sofrer nenhum abalo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.