Número de suicídios com uso de agrotóxico preocupa médica do PR

Dos 1.201 casos de intoxicação notificados em 25 municípios da região centro-oeste do Paraná, entre janeiro de 1994 e agosto de 2001, 423 (35%) foram tentativas de suicídio. Mas o dado que mais deixou preocupada a pesquisadora e pediatra Cleonice de Fátima de Souza, de Campo Mourão, a 450 quilômetros de Curitiba, foi o número de pessoas que utilizaram os agrotóxicos como forma de suicídio: 215 (50,82%).O que também chamou a atenção da médica, que tem comoespecialidade a medicina do adolescente, foi o número de jovensenvolvidos com o problema. Do número total de intoxicações, 317 estavam entre 11 e 20 anos. Desses, 128 foram tentativas desuicídio, com 15 óbitos. De 21 a 30 anos, foram 334 casos, dosquais 134 tentativas de suicídio, com 20 óbitos. E entre 31 e 40anos, o número de intoxicações foi de 247, dos quais 96tentativas de suicídio, com 20 mortes. Nas outras idades, osnúmeros foram menos expressivos.Segundo o estudo de Cleonice, das 423 pessoas que utilizaram algum tipo de produto para tentar o suicídio, 78 morreram. Em dez casos o agrotóxico não foi a causa da morte.Por ser uma região essencialmente agrícola, adolescentes que normalmente são mais sensíveis à depressão e vêem na morteuma espécie de revanchismo para qualquer desilusão, ficam"desprotegidos" com a falta de cuidado com o agrotóxico. "Nãohá uma política de controle sobre os agrotóxicos", criticou amédica. "Está fácil para comprar e não há cuidado na guarda doproduto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.