Nuvem de cinzas se dissipa e voos começam a ser retomados no Brasil

Previsão é que nuvem deixasse espaço aéreo no Sul do País no fim da noite, em direção ao mar

Estadão.com.br,

10 de junho de 2011 | 22h21

SÃO PAULO - A nuvem de cinza do vulcão chileno Puyehue deve estar totalmente sobre o mar no fim da noite desta sexta-feira, 10. A previsão consta no mais recente boletim emitido pelo Volcanic Ash Advisory Centres da Argentina, instituto responsável pelo monitoramento da situação no Cone Sul, informou a Força Área Brasileira (FAB). Com a redução da nuvem, os voos no Brasil começaram a ser normalizados na Região Sul do País.

 

No início da noite, a nuvem de cinzas ainda estava sobre a região que vai de Santa Maria a Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. De acordo com Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), que tem coordenado o tráfego aéreo nas áreas atingidas, o relatório também aponta que a emissão de cinzas pelo vulcão perdeu força.

 

Desde o início da tarde, as companhias aéreas brasileiras já iniciaram a retomada dos voos para os países vizinhos. As principais empresas - TAM, Gol e LAN - informaram que as operações deveriam estar normalizadas já na manhã de sábado, segundo a BBC Brasil. Ainda conforme a agência, os dois principais aeroportos argentinos foram reabertos no início da noite.

 

A Gol informou que restabeleceu as operações em Caxias do Sul e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e Chapecó, em Santa Catarina, a partir das 16h. A TAM retomou seus voos de e para Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC) durante a tarde, porém informou que caso volte a haver problemas com as condições de voo nessas rotas poderá voltar a suspender a operação.

 

A Azul afirmou que retomaria suas operações para todos os voos com destino a Porto Alegre a partir das 18h.

 

Com Marcela Gonsalves

Tudo o que sabemos sobre:
PuyehuevulcãovooaeroportoCone Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.