Nuvem vulcânica chega à região de Curitiba, diz FAB

Abrangência agora da camada de nuvem inclui a região de Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba

Prsicila Trindade, estadão.com.br

10 de junho de 2011 | 11h59

SÃO PAULO - A nuvem de cinza vulcânica atingiu a região de Curitiba, segundo o boletim mais recente emitido pelo Volcanic Ash Advisory Centres da Argentina, instituto responsável pelo monitoramento da situação no Cone Sul. A informação foi divulgada pela Força Aérea Brasileira (FAB), às 10 horas.

 

A abrangência agora da camada de nuvem inclui a região de Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba, de acordo com Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), que tem coordenado o tráfego aéreo nas áreas atingidas. A nuvem está concentrada entre 6.000 metros e 7.600 metros de altitude. Se mantidas as atuais condições meteorológicas, a tendência é que nuvens sigam para o Oceano Atlântico.

 

Por causa disso, a empresa aérea TAM cancelou seus voos de e para Florianópolis, em Santa Catarina, na manhã desta sexta-feira, 10, em razão da nuvem de cinzas que ocupa o espaço aéreo da região, emitidas pelo vulcão Puyehue, localizado no Chile.

 

Os voos para os aeroportos de Porto Alegre (RS), Buenos Aires (Argentina) e Montevidéu (Uruguai) continuam suspensos. Ainda não há previsão de restabelecimento dessas rotas. As medidas são necessárias para garantir a segurança de clientes e tripulantes.

 

A TAM disse que acompanha as informações sobre a densidade e o deslocamento da nuvem de cinzas para retomar suas operações normais o mais rapidamente possível em todos os aeroportos afetados.

 

Segundo a companhia, os passageiros afetados pelos cancelamentos recebem a assistência necessária. Eles serão reacomodados nas próximas opções de voos disponíveis, após a normalização da situação, além de serem isentados de taxa de remarcação.

 

Os clientes da companhia devem ligar para a Central de Atendimento da TAM antes de se dirigirem ao aeroporto, nos números:

 

Brasil - 4002-5700 (capitais) e 0800-570-5700 (demais localidades)

Argentina - 0 810 333 3333

Chile - 56 2 6767 900

Paraguai - 595 21 659 5000

Uruguai - 000 4019 0223

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.