NY também não é mais a mesma

Restrição a bares e clubes e o alto custo de vida fizeram noite da metrópole ficar mais sonolenta

Camila Viegas-Lee, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Depois de uma década em dormência, Nova York perdeu o título de melhor vida noturna do mundo e entrou em coma. Registrada em filmes como Party Monster, com Macaulay Culkin, a ''''cidade que nunca dorme'''', com memoráveis festas ''''after-after hours'''' - começando às 5 horas -, ficou para trás. ''''Nova York não é mais a mesma'''', diz Marivaldo dos Santos, percussionista brasileiro do grupo Stomp há dez anos. ''''Ela está roncando'''', diz Brie, drag queen do restaurante e bar Lucky Cheng''''s há 13 anos.Quando a questão é levantada, a resposta vem em uníssono: Nova York está cara demais. ''''Não dá mais para alugar uma loja, ter seu ateliê na frente e morar nos fundos, como se fazia no East Village no início dos anos 90'''', explica Dan Safer, ex-dançarino e professor de performance, direção e coreografia da New York University. ''''Hoje um estúdio barato para ensaiar custa US$ 25 por hora. É difícil produzir aqui.''''A vida noturna de Manhattan começou a adormecer nos anos 90, durante a gestão do prefeito Rudolph Giuliani. Cardeal do Partido Republicano, Giuliani ficou conhecido pelos programas de ''''tolerância zero'''', que reduziram significativamente o crime na cidade, varreram a prostituição da Time Square, limitaram as feiras públicas e ''''sanearam'''' a boemia do downtown.Um dos instrumentos que Giuliani usou para fechar festas e clubes noturnos foi a arcaica licença de cabaré. Desde 1926 é ilegal dançar em bar ou restaurante que não for licenciado, mas a lei não vinha sendo colocada em prática havia décadas. E, de repente, a policia deu um arrastão na cidade, fechando todos os bares em que houvesse alguém se mexendo ao ritmo de uma música.''''Só aqui e no Afeganistão'''', diz Safer. ''''Mesmo que sua música preferida do David Bowie começasse a tocar no juke-box do bar onde você está tomando uma cerveja, você teria de ficar sentado. Se levantasse, o bar corria o risco de ser fechado pela prefeitura'''', diz Safer. Garçons passavam a noite pedindo para que seus clientes permanecessem sentados.Hoje, o Avalon, um clube noturno que entrou para a história depois de substituir o audacioso Limelight, corre o risco de virar um minishopping center. O Roxy, conhecido pelas festas gays com DJs famosos, como Junior Vasquez e Johnny Vicious, ficou fechado por várias semanas no segundo semestre do ano passado, reabriu em dezembro, mas não resistiu e fechou definitivamente este ano. ''''Nos últimos 15 anos, o número de licenças de cabaré na cidade caiu mais de 20%'''' , diz Robert Bookman, advogado da Associação da Vida Noturna de Nova York (New York Nightlife Association).Para Nicolai Ouroussoff, crítico de arquitetura e urbanismo do jornal The New York Times, a política de Giuliani ajudou a transformar a natureza da cidade. ''''A segurança trouxe de volta a classe média, que estava morando no subúrbio desde as lutas de direitos civis dos anos 60 e 70. E com ela vieram valores suburbanos de segurança, homogeneidade, limpeza e conservadorismo'''', diz. ''''Hoje, as pessoas estão mais interessadas em estudar a história do que se engajar na vida contemporânea e seguir em frente.''''O crítico dá como exemplo a luta do Whitney Museum para construir uma nova sede downtown. ''''É risível pensar que Nova York foi a cidade vertical original e ergueu edifícios como o Empire State e o Rockefeller Center.'''' Nova York, segundo Ouroussoff, ainda é excelente para o consumo da arte de elite. ''''Se você for rico e quiser freqüentar festas de gala e galerias de arte, aqui é fantástico.''''Ao mesmo tempo que ex-clubbers lembram das festas com nostalgia, reconhecem o lado bom de sua proibição. ''''Gosto de saber que minha namorada não vai ser estuprada quando voltar a pé para casa à noite'''', diz Safer. Para Trixie, drag queen barista do Lucky Cheng''''s, Nova York ainda vai acordar. ''''É como um pêndulo. Uma hora os tempos dourados desta cidade voltam.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.