O Caminho do Mar, entre São Bernardo e Cubatão, é reaberto

Depois de dez anos, hoje o acesso ao Caminho do Mar está liberado. Haverá, neste sábado, uma caminhada por 8 quilômetros da Estrada Velha de Santos, entre a Represa Billings, em São Bernardo, e Cubatão, restrita a convidados. Mas, a partir da semana que vem, quem quiser pode agendar visitas pelo telefonem, de terça-feira a domingo. E há roteiros para todos, desde que os carros fiquem estacionados na entrada do circuito. De atletas dispostos a percorrer 16 quilômetros em sete horas, ida e volta, enfrentando uma subida de tirar o fôlego no retorno, a sedentários assumidos, que farão o percurso inteiro a bordo de microônibus, em duas horas. Outra opção é ir caminhando e voltar de microônibus. Há ainda a possibilidade de visitar a Usina Henry Borden, mas a partir de Cubatão. Tudo será grátis, pelo menos no começo. "A intenção é cobrar ingresso no futuro, mas a sobrevivência vai depender mesmo de parcerias com a iniciativa privada", diz o assessor da presidência da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), Paulo Fares. Ele é um dos coordenadores do projeto Caminhos do Mar Pólo Ecoturístico, desenvolvido em área do Parque Estadual da Serra do Mar, que pertence à Emae. A inauguração, hoje, será feita pelo governador Gerlado Alckmin, que promete fazer o roteiro a pé. ControleQualquer que seja a escolha, uma certeza: um cenário estonteante que corta a mata atlântica em plena Serra do Mar, entremeado de quedas d´água e vistas da Baixada Santista, de São Vicente à Praia Grande. Enquanto o plano de manejo não é aprovado pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema), as visitas são apenas para grupos pequenos. "No máximo 100 pessoas por dia, de terça a sexta-feira, e 200 por dia aos sábados e domingos", explica Fares. No caso da usina, são 30. Os roteiros funcionarão das 8 às 17 horas. Os passeios são acompanhados por monitores que, além de dar explicações sobre a flora e fauna da mata atlântica, falam também dos monumentos, construídos em 1922, que marcam a estrada em vários trechos. Há o Monumento do Pico, que marca o ponto mais alto da serra; o Pouso Paranapiacaba, o Belvedere Circular, o Rancho da Maioridade, o Padrão do Lorena, o Pontilhão Raiz da Serra e o Cruzeiro Quinhentista. Os dois últimos ficam já em Cubatão. Destaque para os azulejos com cenas das tropas de mulas no Padrão do Lorena. Ele marca um trecho de 500 metros da Calçada do Lorena, primeiro caminho entre o litoral e o planalto, terminado em 1792. Mas os visitantes devem ficar decepcionados com o estado dos monumentos, muito pichados e estragados. "Já foi autorizado o uso, pela Lei Rouanet, de R$ 3,5 milhões para o restauro, mas dependemos de parcerias com a iniciativa privada para iniciar a obra", diz Fares. A estrada está em boas condições, depois que deslizamentos de terra arrancaram dois trechos inteiros em 1994, interditando a passagem. Foram feitas duas pontes pela Dersa em 2003. Mas na quinta-feira ainda havia operários instalando telas de proteção nas laterais. As instalações ainda são precárias. Os banheiros são químicos e é preciso levar lanche e bebida, pois não há lanchonetes. (*) Para agendar passeios, ligue para o telefone (0xx13) 3372-3307, ramal 283.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.