O carnaval mineiro

Cerca de 30 mil pessoas acompanharam a abertura do desfile das escolas de samba de Belo Horizonte, na noite do último domingo, na Via 240, bairro Aarão Reis, região norte da capital mineira. A estimativa é da Belotur. Um público maior, entre 35 e 40 mil pessoas, era esperado pelos organizadores na noite desta segunda-feira, quando desfilariam as mais tradicionais escolas da cidade, entre elas a bicampeã Canto da Alvorada. O público acompanhou as apresentações das arquibancadas, camarotes e de um espaço reservado. A Polícia Militar não registrou nenhuma ocorrência grave. O destaque da primeira noite foi a Bem-Te-Vi, que abriu o desfile. A escola, que levou aproximadamente 500 foliões para a avenida, abordou a evolução da medicina, dando ênfase a temas atuais, como a polêmica em torno da liberação das pesquisas com células-tronco. Uma das nove alas da escola era composta por portadores de necessidades especiais em cadeiras de rodas. Desfilaram ainda outras duas agremiações: Imperatriz de Venda Nova e Cidade Jardim, cujos enredos trataram, respectivamente, da agricultura em Minas Gerais e da Estrada Real. Alegando falta de verbas, a escola Inconfidência Mineira não desfilou. Além da canto da Alvorada, que encerraria as apresentações, outras cinco escolas desfilariam ontem: Estação Primeira dos Catadores de Papel, Unidos do Onça, Unidos Guaranis, Academia do Samba Império da Nova Era e Acadêmicos de Venda Nova. Ouro Preto Na cidade histórica de Ouro Preto (a 95 quilômetros de BH), onde ocorre aquele que é considerado um dos mais animados carnavais do interior de Minas, a preocupação das autoridades neste ano foi restringir o público na Praça Tiradentes e imediações. A idéia é evitar eventuais danos ao patrimônio histórico. Como parte de uma campanha de conscientização e orientação do turista, a prefeitura local elaborou um "Guia do Folião", que estava sendo distribuído aos visitantes. Atendendo a uma reivindicação do Ministério Público, o executivo municipal limitou o número de blocos e o número de participantes (no máximo dois mil) por cada bloco no Carnaval de 2006. De acordo com o Secretário de Turismo, Vittorio Lanari, o tempo de desfile foi reduzido e somente 37 blocos receberam permissão para desfilar pelas ladeiras da cidade. Outra medida foi a criação de um espaço no estacionamento do Centro de Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto para a apresentações de bandas baianas de axé. O local, afastado do centro histórico da cidade, recebe, em média, 10 mil pessoas a cada noite. Diariamente, o Carnaval de Ouro Preto atrai cerca de 30 mil turistas. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar informaram na tarde de ontem que não haviam sido registradas ocorrências mais graves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.