Divulgação/Arquivo Pessoal
Divulgação/Arquivo Pessoal

'O iBreviary nasceu como oração móvel'

Criador de aplicativo autorizado pelo Vaticano diz que Igreja sempre foi vanguarda na comunicação

Entrevista com

Padre Paolo Padrini

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2014 | 02h01

O aplicativo mais usado por religiosos de todo o mundo é uma versão digital do breviário, o livro que traz as rezas cotidianas dos clérigos, que pode ser baixado de graça. Padre Paolo Padrini, de 41 anos, da Paróquia São Jorge, em Tortona, na Itália, criador do primeiro aplicativo católico com aprovação do Vaticano, falou ao Estado.

Como decidiu criar o iBreviary?

A ideia surgiu quando eu tive em mãos meu primeiro iPhone. Percebi que, a partir de então, o mundo da telefonia tinha mudado e os dispositivos móveis nos acompanhariam a todos os lugares. O iBreviary nasceu como "oração móvel".

A Igreja aprovou a ideia?

O iBreviary foi imediatamente bem-recebido pela Igreja. Hoje, padres, bispos e cardeais o usam e isso para mim é a coisa mais importante.

Como é sua colaboração com a comissão formada no Vaticano para estudar novas tecnologias?

Colaboro com várias organizações da Igreja há muitos anos. É um trabalho muito bom: eu tento ajudar a Igreja a comunicar o Evangelho por meio das novas tecnologias, o que é um belo serviço, um dom de Deus.

Como é o posicionamento do Vaticano quanto ao uso das novas tecnologias?

A Igreja sempre esteve na vanguarda da comunicação. Trata-se de uma instituição historicamente capaz de satisfazer o coração humano. Do ponto de vista da mídia digital, a Igreja é muito avançada, tendo abraçado de imediato as novas tecnologias. Mas tudo feito de modo maduro e não trivial: com profundidade e reflexão.

O senhor usa tablet nas suas missas?

Sim, uso. Mas nem sempre. Uso por conveniência, especialmente quando estou celebrando missa com grupos de crianças ou viajando. Em vez de carregar muitos livros pesados, posso celebrar com um tablet simples, leve. No entanto, é preciso ter consciência; não podemos ser superficiais.

Em sua opinião, qual é a principal vantagem dos aplicativos?

Basicamente, a praticidade. Mas não só. Acredito que de alguma forma devemos experimentar o uso das novas mídias digitais no campo da espiritualidade. A oração é uma ação humana, o que é conseguido por meio da linguagem do homem - e dessa linguagem fazem parte os novos meios digitais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.