JF DIORIO/ ESTADÃO
JF DIORIO/ ESTADÃO

‘O juiz dá um crédito de confiança’, afirma Lewandowski

Presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça considera a reincidência de 4% insignificante

Entrevista com

Ricardo Lewandowski

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

11 Novembro 2015 | 03h00

Como o senhor avalia o índice de reincidência dos presos?

A reincidência de 4% é muito baixa. Mas por que essas pessoas são soltas? Porque o juiz dá um crédito de confiança: elas têm endereço fixo, emprego lícito, não apresentam antecedentes e, em geral, estão envolvidas em crimes de menor potencial ofensivo. Pelos resultados das audiências, esses 4% são insignificantes. 

Mas existe base de comparação para demonstrar que, de fato, a reincidência é baixa?

Não tenho esses dados. O importante é que o porcentual não compromete o resultado do programa. São pessoas que passariam, em média, seis meses presas e não passam. Deixamos de enviar soldados para o crime organizado.

Desde outubro, todas as Justiças estaduais aderiram ao programa. Qual balanço?

Temos reduzido em 50% as prisões provisórias, em média. Um preso hoje custa R$ 3 mil por mês. Nós já deixamos de prender cerca de 14 mil e com isso economizamos quase R$ 600 milhões para o Estado. Também deixamos de construir 13 presídios. A nossa previsão é de que em um ano, mantida a proporção de redução, vamos deixar de prender 120 mil pessoas e de construir 240 presídios no País. Pretendemos fazer uma economia de R$ 9,6 bilhões. 

 

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Lewandowski

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.