O luxo do pequeno príncipe de Taubaté

Encontro era sobre gestão, mas Rodson estava interessado mesmo em desfrutar o hotel de frente para o mar, com tudo pago pelo dinheiro público

ANTÔNIO CARLOS GARCIA, ESPECIAL PARA O ESTADO, ARACAJU, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2011 | 03h04

O vereador Rodson Lima (PP), da cidade paulista de Taubaté, se sentiu com a vida de um príncipe, durante o 18.º Encontro da Associação Brasileira das Escolas do Legislativo de Contas (Abec). O tema do encontro era Planejamento Estratégico: gestão eficiente, mas Rodson estava mesmo satisfeito era com o tratamento recebido: hotel três estrelas de frente para o mar, na praia de Atalaia, com tudo pago pelo dinheiro público. Ele mesmo postou em sua página no Facebook a satisfação de, como político, poder desfrutar desse privilégio.

"A presidente Dilma Rousseff estava na África com o dinheiro público. Os senadores viajam com qual dinheiro? Com o público. Só que eles não têm coragem de falar isso", observou o vereador. "Sou eternamente grato, porque é o povo que me proporciona isso."

E falou do prazer usufruído durante sua estada em Aracaju. "É muito melhor do que eu esperava. Povo hospitaleiro, sol ardendo. A vida está em Sergipe. Tive um tratamento de príncipe", ressaltou. "Me sinto como se estivesse no Palácio de Buckingham."

Instado a definir se se sentia o príncipe de Saint Exupéry ou o de Maquiavel, Rodson foi taxativo: "Eu sou o de Exupéry, que se tornou um grande príncipe. Ele descobriu que o mundo não é tão pequeno como ele pensava. Que o mundo tem coisas boas como Aracaju e Sergipe."

O romance O Pequeno Príncipe, de Exupéry, sugere ao leitor como podem ser equivocados os julgamentos do homem e como eles podem levá-lo à solidão. Já O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, é frio e calculista, e não mede esforços quando trata de obter e manter o poder. Mas Rodson não se vê nesse figurino.

"Sou oriundo da classe baixa, tenho um escritório, ambulância, caminhão de mudança para o povo. Sou caminhoneiro, estou vereador. Eu seria um demente se fosse escarnecer desse povo que me ajuda", disse.

Apesar de estar inelegível e respondendo a 14 processos na Justiça Eleitoral, Rodson afirmou que, se o povo de Taubaté desejar, ele será reeleito novamente. É vereador há 14 legislaturas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.