O marketing da excentricidade

Regina Célia de Souza vira 'Zefa de Neve' para pedir votos na Baixada Fluminense

Bruno Boghossian, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2010 | 00h00

Para os candidatos que não podem contratar marqueteiros e têm poucos recursos para divulgar suas campanhas, a excentricidade é a arma para conquistar votos. Nas ruas de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, a atriz Regina Célia de Souza Bento, de 49 anos, pede o apoio dos eleitores fantasiada como Branca de Neve, segurando uma galinha de borracha como telefone celular.

Durante a campanha, ela assume a identidade de "Zefa de Neve". Dirige uma caminhonete transformada em carro alegórico, com uma bruxa que joga suas garras sobre o Congresso Nacional e "anões do orçamento" aprisionados em uma jaula.

"Não adianta ser comum, como os milhares de candidatos que aparecem dizendo "você me conhece, conto com o seu voto". Eu estou na contramão da política tradicional", diz a candidata a deputado federal pelo PMN.

Regina decidiu conferir a Zefa o papel de chamar a atenção do eleitorado. Apesar de ter apenas 20 placas de publicidade e só duas inserções de 5 segundos na TV, a personagem é reconhecida por crianças e adultos, que gritam seu nome das janelas de casas e de ônibus. A extravagância lhe garantiu ainda o apelido de "Tiririca da Baixada".

"Eu também sou palhaça, mas tenho conteúdo. Se eu tivesse os recursos e o tempo de TV dele, seria eleita com certeza", diz Zefa. "Não tive dinheiro nem para comprar uma peruca para a fantasia."

Zefa de Neve é a quarta personagem de Regina e o PMN é seu quarto partido. Em 2004, ela se lançou à Câmara Municipal de São João de Meriti pelo PFL como "Zefa, a emergente brega da Baixada" e conseguiu apenas 1.030 votos. Dois anos depois, "Super Zefa" disputou uma vaga de deputado federal pelo PT do B, mas conseguiu menos de 10% dos votos necessários para se eleger. Em 2008, "Zefa das Caverna" (sic) tentou se tornar vereadora pelo PR, mas só recebeu apoio de 666 eleitores.

Mesmo sem nunca ter sido eleita e com dificuldades para bancar as campanhas, Regina não cogita desistir e já pensa em lançar em 2012 a candidata "Zefa Maria Brega", paródia da apresentadora Ana Maria Braga, "se a Globo deixar".

"Continuo sendo candidata pelo idealismo", afirma. "Estou no mundo para ajudar as pessoas e quero usar essa personagem popular que eu criei para fazer isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.