O monstro francês pode ter matado 30 garotas

Já chamado pelos franceses de "o monstro dasArdennes", o pedófilo Michel Fourniret é suspeito do assassinatode 30 jovens em vários países europeus - além de França eBélgica, Holanda, Dinamarca e Alemanha. Ele confessou terseqüestrado, estuprado e assassinado 9 jovens entre 12 e 22 anos mas outros casos de desaparecimentos e mortes, até hoje nãoelucidados, estão sendo atribuídos a ele e investigados a pedidodas autoridades daqueles países. Se as suspeitas foremconfirmadas, Fourniret, de 62 anos, um homem inteligente,perverso e manipulador, figuraria como um dos maiores criminososque a França conheceu. No fim de semana, a polícia técnica francesa, utilizandoescavadoras, encontrou os cadáveres de duas de suas vítimas,ambas assassinadas em 1989, a belga Elisabeth Brisset, de 12anos, e francesa Jeanne Marie Desramault de 22 anos. Michel e a mulher dele, Monica Olivier, foram levadosalgemados por policiais ao local onde as jovens haviam sidoenterradas. Eles indicaram sem revelar nenhuma emoção ondeestavam as ossadas - no parque de 15 hectares do Castelo deSautau. O décimo caso denunciado pela mulher de Michel, mas nãoadmitido por ele, é o de uma babá que trabalhava para eles. Segundo Monique, para atrair a jovem Elisabeth Brisset aentrar em seu automóvel, eles alegaram que iam levar o filho deum ano, gravemente doente, ao médico. A mãe de Elisabeth foi umadas organizadoras, na Bélgica, de uma passeata que reuniu 300mil pessoas nas ruas de Bruxelas para protestar contra alentidão da Justiça em julgar um outro pedófilo, Marc Dutroux,condenado recentemente à prisão perpétua. Os corpos de Elisabeth e Jeanne estão no Instituto MédicoLegal de Bordeaux para autópsia. O Castelo de Sautou é uma antiga propriedade de Fourniret,que ele teria comprado com fundos roubados do grupo terroristafrancês Ação Direta (já dissolvido). Ele é suspeito doassassinato da mulher de Jean-Pierre Helegouarch, membro doantigo grupo terrorista que ele conheceu na prisão. A mulherseria a guardiã do "tesouro de guerra da AD". As mortes atribuídas a Fourniret ocorreram entre 1989 e 2001.Ele foi denunciado pela própria mulher, que é acusada decumplicidade nos crimes. As polícias da Holanda e da Dinamarca,além das francesa e belga, investigam casos de desaparecimentode jovens em seus países naquele período que poderiam ter sidovítimas dele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.